Fitness & Bem-estar

Ponto LX: O artesanato já não é o que era

Uma loja de artesanato em Lisboa está a fazer as delícias dos turistas dos quatro cantos do mundo que visitam a capital. Com peças únicas e cores vibrantes, a Ponto LX é já uma referência para aqueles que procuram um ícone diferente e bem contemporân
Versão para impressão
Uma loja de artesanato em Lisboa está a fazer as delícias dos turistas dos quatro cantos do mundo que visitam a capital. Com peças únicas e cores vibrantes, a Ponto LX é já uma referência para aqueles que procuram um ícone diferente e bem contemporâneo da cultura portuguesa.

por Margarida Cruz
 

Dos expositores do número 23 da Rua Augusto Rosa, saltam à vista “sardinhas, bonecos, animais e monstros”, as criações mais emblemáticas de Inês Areal Silva, que conta com a colaboração da mãe, Joana Areal, para conceber estas originais produções. “Fazemos o que gostamos”, conta a jovem de 29 anos ao Boas Notícias. “Pegamos nos temas típicos portugueses e criamos a partir deles, da maneira mais original possível”.

A ideia está a conquistar cada vez mais adeptos. Desde que abriu as portas, em 2006, que os 'bichos da Ponto LX' têm vindo a correr as bocas do mundo. Na página de Facebook partilham-se fotos das grandes e inéditas sardinhas daquela loja, a viajar pelos seis continentes. Mas nenhuma é igual a outra. 
 
“O lema é nunca repetir e tornar cada peça única. Por muitas sardinhas, camaleões e dragões que faça, embora sejam parecidos, há sempre qualquer coisa que os distingue: a cor dos olhos, da cauda, as patas… Se eu fizer 3 dragões.lx com o mesmo tecido, então são todos de tamanhos diferentes, a não ser que seja por encomenda para o mesmo cliente”, conta Inês. 

Com uma procura em constante crescimento, os pedidos são cada vez mais, e o tempo cada vez menos. “Tem de haver sempre sardinha fresca”, ri-se a responsável. “A sardinha é daquelas peças que mal aquece o espaço na loja e que estamos sempre a ser contactadas por Facebook para fazer mais por encomenda”. 

“Não há espaço para produção em massa”
 

Criação própria, linha estilizada, cores vibrantes e com contraste, resistência e costura de qualidade (primeiro à máquina e, depois, complementada à mão) são os principais pilares que, para Inês, definem a imagem da Ponto LX. 
 
“Foi a aplicação de um saber natural, quase inato. Embora tenha tirado o curso de Ourivesaria e Metais na Escola Secundário António Arroio, sei costurar praticamente desde sempre e, na família, somos nós que fazemos as nossas prendas de anos e de Natal”, conta a jovem, filha de pai moçambicano e de mãe madeirense.

Depois de um mercado que começou por ser exclusivamente turista, nos últimos cinco anos, a Ponto LX tem vindo a conquistar cada vez mais portugueses. “Às vezes até conseguem ser mais impulsivos e colecionadores que os estrangeiros!”, revela. 

Os preços são mais que muitos, tal como os produtos. O postal mais barato custa 0,50€ e a peça mais cara 142€. “Aqui não há espaço para a produção em massa. É tudo produzido individualmente e no seu tempo. Além disso, tornámo-nos mais exigentes na construção das nossas peças e na qualidade dos materiais.”

Nas paredes, bancadas e estantes da loja vibram produtos e cores sem fim. Para além dos bonecos mais carismáticos e procurados, há mobiles de tecido, ímanes, pregadeiras, brincos, colares de diversos materiais, cerâmica, azulejaria, malas, porta-moedas e porta-chaves.

Encomendas para o estrangeiro

Ainda assim, “nestes últimos dois anos ter a loja cheia de produtos é cada vez mais difícil, porque nada fica muito tempo, e as encomendas estão sempre a cair – sejam elas para vir buscar à loja ou para enviar por correio para o estrangeiro. Há até peças que são reservadas antes de saírem do atelier!”
 
Fechar a loja já só acontece uma vez por ano, no dia de Natal. Os restantes 364 dias são de portas abertas, das 11h às 19h, num rebuliço de clientes à procura de um membro da família.lx.

“É extremamente gratificante. O carinho dos clientes, ver o nosso trabalho, todos os dias, espalhado pelo mundo através da partilha de fotos e de momentos com sardinhas, monstros e animais feitos por nós, tornam tudo absolutamente compensador”, conclui Inês Areal Silva. 

Clique AQUI para aceder à página de Facebook da Ponto LX.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close