Sociedade

Poesia ajuda reclusos a “evadirem-se”

Porque "a poesia não tem grades", este é já o oitavo ano de um projeto que visa usar a literatura como forma de reabilitação social de presidiários.
Versão para impressão
Porque “a poesia não tem grades”, este é já o oitavo ano de um projeto que visa usar a literatura como forma de reabilitação social de presidiários.

A partir de 28 de fevereiro, o projeto vai promover conversas com reclusos de vários estabelecimentos prisionais do país, sobre as possibilidades e a aprendizagem que podem obter através da literatura e da poesia.

A proposta do projeto “A poesia não tem grades” é mostrar a importância da literatura como forma de libertação e de canalização da “solidão”, da “revolta” ou da “dúvida”, tanto através “da leitura como da própria escrita”.

A iniciativa foi lançada em 2004 pelo psicopedagogo Filipe Lopes e começou a ser implementada de forma continuada nos Estabelecimentos Prisionais de Tires e Sintra. Este ano vai chegar a Lisboa, Torres Novas, Castelo Branco, Bragança e Horta.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close