Saúde

Pílula que trava efeitos do Alzheimer está mais perto

Está, atualmente, a ser testado um novo fármaco experimental contra a doença de Alzheimer. O medicamento, desenvolvido por uma companhia com sede em Singapura, tem como objetivo atacar a doença através do bloqueio da formação de uma proteína.
Versão para impressão
Está, atualmente, a ser testado um novo fármaco experimental contra a doença de Alzheimer. O medicamento, desenvolvido por uma companhia com sede em Singapura, tem como objetivo atacar a doença através do bloqueio da formação de uma proteína denominada tau que induz à criação de nós no interior das células cerebrais.
 
O fármaco, batizado LMTX, foi criado por cientistas britânicos, coordenados por Claude Wischik, da Universidade de Aberdeen, e foi, depois, produzido pela TauRx Therapeutics, uma empresa privada de biotecnologia. 
 
Para muitos cientistas, a proteína tau é uma das mais importantes causas do Alzheimer, a par de outras proteínas – as amilóides – sobre as quais têm recaído os estudos mais aprofundados no âmbito da doença até ao momento.
 
Em comunicado, a TauRx anunciou que já deu início à terceira fase dos ensaios clínicos em humanos, a última antes de o medicamento poder ser comercializado, que vai envolver o acompanhamento de 883 pacientes com Alzheimer ao longo de 12 meses e o seguimento de outros 500 voluntários que sofrem da doença degenerativa durante 18 meses. Os ensaios já começaram nos EUA, mas a equipa vai também recrutar participantes na Europa e na Ásia.
 
Esta nova fase sucede-se a uma outra em que foi analisado um fármaco denominado “Rember”, que entretanto foi melhorado, dando origem ao LMTX, que liberta a mesma substância ativa na corrente sanguínea mas de uma forma mais eficiente, revelou a companhia.

Fármaco poderá chegar em quatro anos

 
Citado pelo jornal britânico Daily Mail, Claude Wischick, que coordenou o desenvolvimento do medicamento, salientou que este “mata a doença” e “se for tomado precocemente, permite fazê-la retroceder”.

Embora esteja confiante no sucesso do fármaco, Wischick defendeu ainda que, mesmo que este venha apenas a atrasar a progressão do problema em vez de o eliminar completamente, trará sempre grandes benefícios.

 
“Mesmo que a doença continue a progredir, mas muito mais lentamente, os pacientes poderão ficar em casa com os seus entes queridos em vez de ir para instituições para receber cuidados médicos”, declarou. “Porém, esperamos que se a administração da pílula for feita suficientemente cedo seja possível parar a degeneração cerebral ou pôr-lhe um grande travão”, concluiu.
 
Caso se comprove que o LMTX é seguro e eficaz e se este for aprovado pela entidade reguladora da saúde, o fármaco poderá chegar ao mercado nos próximos quatro anos, de acordo com o que foi adiantado pela companhia no âmbito da conferência Clinical Trials on Alzheimer's Disease que decorreu recentemente em Monte Carlo, no Mónaco.
 
[Notícia sugerida por Raquel Baêta]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close