Ambiente

Peixes em risco multiplicam-se em viveiros

Em Campelo, Figueiró dos Vinhos, cinco espécies de peixes em vias de extinção, o Ruivaco-do-Oeste, Boga-Portuguesa, Boga do Sudoeste e Escalos do Arade e do Mira estão a reproduzir-se para virem a repovoar em breve, os rios e ribeiras nacionais de on
Versão para impressão
Em Campelo, Figueiró dos Vinhos, cinco espécies de peixes em vias de extinção, o Ruivaco-do-Oeste, Boga-Portuguesa, Boga do Sudoeste e Escalos do Arade e do Mira estão a reproduzir-se para virem a repovoar em breve, os rios e ribeiras nacionais de onde são originários.

“São espécies autótones, algumas delas só existem em dois ou três rios no nosso país. Em todo o mundo não se encontram em mais local nenhum. Se não for feito nada por elas, poderão desaparecer para sempre do planeta”, disse à Lusa Alexandrina Pipa, técnica da associação ambientalista Quercus, uma das entidades envolvidas na iniciativa.

Alexandrina Pipa explica que os viveiros tiveram de ser preparados com antecedência para receber as espécies e serem adaptados para parecerem o mais natural possível. Para isso, foram colocados tufos naturais desde lãs, raízes e pedras para que os peixes pudessem desovar como fariam na natureza.

As espécies são acompanhadas, todos os dias, quanto à alimentação para que se mantenham os hábitos naturais que teriam se vivessem livres. “Mexilhão, ervilha, miolo de camarão, ração normal, flocos, minhocas e larvas de mosquito” é a alimentação variada que é dada às espécies.

A limpeza, a medição do caudal da água, a deteção de eventuais problemas sanitários são preocupações constantes que os técnicos do viveiro têm para que possam libertar as espécies em habitat natural em condições aceitáveis.

O projeto “Conservação ex situ de organismos fluviais” teve início em 2008 e tem sido bem sucedido com a produção de “200 a 600% dos [87 exemplares] que chegaram inicialmente”, explicou a técnica da Quercus.

Para o próximo mês enfrenta-se um novo desafio com a reintrodução do ruivaco-do-Oeste no rio Alcabrichel, em Torres Vedras.

O projeto “Conservação ex situ de organismos fluviais” tem como parceiros, além da Quercus, o Aquário Vasco da Gama, EDP, Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Técnica de Lisboa, Centro de Biociências do Instituto Superior de Psicologia Aplicada e Câmara de Figueiró dos Vinhos.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close