Ambiente

Património amigo do ambiente

A colocação de ecopontos, a eliminação de água engarrafada e o uso de lâmpadas de baixo consumo são algumas das medidas a serem postas em prática por monumentos e respetivos serviços, como consequência das auditorias ambientais determinadas, des
Versão para impressão
A colocação de ecopontos, a eliminação de água engarrafada e o uso de lâmpadas de baixo consumo são algumas das medidas a serem postas em prática por monumentos e respetivos serviços, como consequência das auditorias ambientais determinadas, desde dezembro, pelo diretor do Instituto de Gestão do património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR), Gonçalo Couceiro.

“Se [os monumentos] têm de apresentar conteúdo científico, têm também de ter conteúdo ambiental adequado”, afirma Gonçalo Couceiro, em declarações à agência Lusa.

A nova política aplicada ao património nacional prevê também a contenção de custos: “Temos de saber gastar bem o dinheiro”, frisou o diretor do IGESPAR, referindo-se aos custos que o desperdício acarreta. “Não faz sentido gastarmos um dinheirão no tratamento de água que nos permite bebê-la e depois estar a usar garrafas de plástico que têm um elevado custo ambiental”, acrescenta.

“Cada um deve fazer a sua parte”, no que toca ao “cumprimento de todas as regras, quer com os entulhos, quer nos procedimentos de obra”. “nem nos levavam a sério, no estrangeiro, se não tivessemos estas preocupações”, refere ainda Gonçalo Couceiro.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close