Negócios e Empreendorismo

Pastilhas Gorila chegam à China pela primeira vez

As pastilhas elásticas portuguesas Gorila chegaram à China pela primeira vez. A Lusiteca, empresa que fabrica este ícone do imaginário português, ambiciona começar a explorar o Oriente. O primeiro contentor já seguiu para território chinês.
Versão para impressão
As pastilhas elásticas portuguesas Gorila chegaram à China pela primeira vez. A Lusiteca, empresa que fabrica este ícone do imaginário português, ambiciona começar a explorar o Oriente e o primeiro contentor, com 15 toneladas de pastilhas, seguiu para território chinês o mês passado.
 
A notícia é avançada pelo Jornal de Negócios, que falou, em exclusivo, com Ana Paula Costa, diretora executiva da companhia. “Houve uma feira em Lisboa e aí tivemos um contacto com um agente que surtiu efeito. Provaram e gostaram. Acharam a nossa pastilha interessante e quiseram levá-la para experimentar”, contou a responsável ao jornal. Agora, a empresa está a aguardar os resultados. 
 
A Lusiteca começou a exportação das pastilhas Gorila há 20 anos, altura em que deu início à aposta nos mercados de língua portuguesa, uma aposta que veio a ser bem-sucedida. Atualmente, a companhia pretende arrancar com a expansão nos mercados de África e do Médio Oriente, sendo que a China vai também manter-se na mira. 
 
“Estamos a dar os primeiros passos, mas todos sonham com a China e o seu potencial”, confessou ao Jornal de Negócios o administrador da Lusiteca, Pedro Ribeiro da Cunha. “A exportação é muito interessante, mas tem um custo agregado inicial, porque, para vendermos a sério para a China, temos de lá ir umas cinco vezes e isso custa muito dinheiro. Primeiro que se crie um mercado é um namoro de muitos anos”, admitiu, porém. 
 
Ainda assim, Pedro Ribeiro da Cunha assegurou ao Jornal de Negócios que as perspetivas para o negócio na China são muito realistas. “Não construímos o nosso negócio à volta de expetativas, mas de mercados concretos”, realçou.
 
Segundo o mesmo jornal, a Gorila e as outras marcas da Lusiteca foram, há cinco anos, alvo de um processo de 'rebranding' que correspondeu a um investimento de cinco milhões de euros. Em 2016, a companhia pretende atingir os 20 milhões de euros em vendas, sendo que, este ano, a faturação deverá rondar os 12,5 milhões, um valor 25% superior ao de 2012.

Notícia sugerida por Lídia Dinis e Elsa Martins

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close