Ciência

Participar no parto favorece relação entre pai e bebé

A participação no parto através, por exemplo, do corte do cordão umbilical, pode favorecer o envolvimento emocional do pai com o bebé. A conclusão é de um estudo da Escola de Psicologia da Universidade do Minho.
Versão para impressão
A participação no parto através, por exemplo, do corte do cordão umbilical, pode favorecer o envolvimento emocional do pai com o bebé. A conclusão é de um estudo da Escola de Psicologia da Universidade do Minho (UMinho), que contou com uma amostra de 105 pais portugueses e foi publicado no prestigiado “Journal of Advanced Nursing”.
 
De acordo com um comunicado da UMinho enviado ao Boas Notícias, a investigação em causa pretendeu estudar o envolvimento emocional do pai com o bebé, antes e depois do parto, bem como perceber o impacto da experiência de corte do cordão umbilical na relação de ambos.
 
Segundo os investigadores portugueses, os resultados mostraram que o envolvimento emocional tende a aumentar durante a gravidez e, sobretudo, na sequência imediata do parto, começando a diminuir logo no primeiro mês após o nascimento, mas que a participação no parto traz benefícios.
 
O estudo revelou que “os pais que participaram no parto e cortaram o cordão umbilical dos respetivos filhos exibiram uma melhoria significativa no envolvimento emocional entre o momento do nascimento e os primeiros 30 dia de vida”, explicam Sónia Brandão e Bárbara Figueiredo, investigadoras da Unidade de Investigação Amplicada em Psicoterapia e Psicopatologia da UMinho.
 
“Estas conclusões indicam que a presença do progenitor neste processo e nos cuidados iniciais pode beneficiar o seu envolvimento com o recém-nascido”, acrescentam as especialistas.

Participação no parto beneficia confiança
 

Para Bárbara Figueiredo, doutorada em Psicologia Clínica pela UMinho e professora naquela instituição há vários anos, a participação do pai no trabalho de parto e nos cuidados iniciais pode, portanto, “beneficiar a confiança e o desempenho do papel paterno e, por conseguinte, melhorar a sua relação com o bebé”.
 
No entanto, a investigadora, que salienta que este tema tem sido pouco estudado, alerta que a existência destes benefícios “não significa que esta prática deva ser imposta ou seja sempre favorável”. 
 
Bárbara Figuereido, que coordenou a investigação, já coordenou também outros projetos financiados pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, pela Fundação Calouste Gulbenkian e pela Fundação Bial, sendo responsável pelo grupo Family: Studies and Intervention do Centro de Investigação em Psicologia e membro do Serviço de Psicologia da UMinho.
 
A docente conta com mais de duas centenas de publicações a nível nacional e internacional, dedicando-se, particularmente, à investigação e intervenção no domínio da gravidez e da parentalidade. 

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close