Sociedade

Parlamento quer rendimento mínimo em toda a UE

O Parlamento Europeu aprovou, esta quarta feira, uma proposta da deputada portuguesa Ilda Figueiredo para a introdução de regimes de rendimento mínimo em todos os Estados-membros da União Europeia.
Versão para impressão
O Parlamento Europeu aprovou, esta quarta feira, uma proposta da deputada portuguesa Ilda Figueiredo para a introdução de regimes de rendimento mínimo em todos os Estados-membros da União Europeia (UE).

A eurodeputada considera que um rendimento mínimo em toda a UE constitui o modo mais eficaz para combater a pobreza, garantir um adequado nível de vida e promover a integração social.

No relatório que apresentou, Ilda Figueiredo defende que os regimes de rendimento mínimo devem ser fixados, no mínimo, em 60% do rendimento médio no respetivo Estado, o que em Portugal representa um valor na ordem dos 420 euros.

Em declarações à Lusa, Ilda Figueiredo destaca no seu relatório a “crítica às politicas de austeridade, por estarem a contribuir para o agravamento da pobreza e das desigualdades sociais na UE”, e “uma outra crítica às políticas macroeconómicas que não têm em devida conta as questões sociais”.

A proposta foi discutida a propósito do Dia Internacional da Erradicação da Pobreza, celebrado no passado domingo, e do Ano Europeu de Luta Contra a Pobreza. 437 deputados votaram a favor, 162 contra e 33 abstiveram-se.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close