Ciência

Parkinson: Estimulação intracraniana corrige tremores

Investigadores da Universidade de Califórnia (EUA) descobriram que a estimulação intracraniana poderá reduzir e atrasar a evolução da doença de Parkinson, num estudo publicado no passado mês de Abril.
Versão para impressão
A estimulação intracraniana, induzida através de implantes cerebrais, é uma das técnicas mais eficazes para controlar tremores. A técnica ainda é pouco compreendida mas uma nova investigação promete popularizar a sua utilização como tratamento, por exemplo, da doença de Parkinson.

Segundo os responsáveis pelo estudo, poucos tratamentos conseguem resultados tão eficazes e rápidos como os que são alcançados através da estimulação intracraniana, que consiste na implantação cirúrgica de dispositivos que produzem estímulos elétricos. Contudo, o facto de ser uma técnica delicada e ainda mal compreendida, tem afastado a sua aplicação.

Mas a investigação da Universidade de Califórnia conseguiu explicar de que forma esta estimulação intracraniana (DBS, termo em inglês) consegue controlar desordens do movimento. A equipa conseguiu também personalizar o nível de estimulação de que cada paciente é alvo, um elemento que também era um entrave à utilização da DBS.

Para realizarem o estudo, os especialistas mediram a atividade neuronal antes, durante e depois da estimulação intracraniana de 23 pacientes. Através de sensores colocados no exterior dos pacientes, a equipa percebeu que estes estímulos reorganizam e corrigem os circuitos neuronais, evitando repetições desnecessárias.

Cada cirurgia demorou cerca de seis horas e, durante o procedimento, os pacientes mantiveram-se acordados para realizarem testes. Uma das tarefas atribuídas aos pacientes era tocar com o dedo num ponto azul existente num ecrã, por exemplo.

A equipa confirmou que quando a DBS é ativada nos pacientes com Parkinson, os sintomas de tremor e rigidez dos movimentos diminuem drasticamente. Em contrapartida, assim que o dispositivo é desativado, os sintomas regressam instantaneamente.

Com o avanço dos estudos e com uma melhor compreensão da estimulação intracraniana e dos seus efeitos, os investigadores ampliar a sua utilização.  Neste momento, a equipa mantém cinco pacientes com implantes que estão a ser monitorizados para que se faça uma recolha permanente de dados.

“Esta terapia está generalizar-se não só para Parkinson, mas também para muitos distúrbios cerebrais relacionados com o movimento, incluindo condições psiquiátricas como a depressão, mas ninguém sabe como funciona”, afirma Philip Starr, um dos autores do novo estudo.

A doença de Parkinson é uma patologia que afeta as ligações do córtex motor, que entram em modo 'loop', e o que os investigadores da Universidade da California (EUA) descobriram foi que esta técnica de estimulação intracraniana atua, exatamente, sobre o mesmo sítio.

“Com este dois dados na mão, podemos começar a pensar em maneiras de criar estimuladores controlados automaticamente pela atividade cerebral de cada indivíduo, sendo esta a próxima inovação no tratamento de distúrbios do movimento.”

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close