Cultura

Paris acolhe exposição “Um olhar português”

Vários retratos que mostram "a alma portuguesa" estão reunidos numa exposição em Paris até 7 de Março. Stanislas Kalimerov é nome do fotógrafo, de origens russas e francesas, que transformou o olhar dos portugueses em verdadeiras obras de arte.
Versão para impressão
Vários retratos que mostram “a alma portuguesa” estão reunidos numa exposição em Paris até 7 de Março. Stanislas Kalimerov é o nome do fotógrafo, de origens russas e francesas, que transformou o olhar dos portugueses em verdadeiras obras de arte.

Portugal seduziu o artista e fotógrafo que veio visitar o país por acaso e acabou por cá ficar uma década. “Assim que cá cheguei apaixonei-me. Fiquei mais um dia, depois mais uma semana, depois dez anos”, diz Stanislas Kalimerov à Lusa.

Apesar de já ter percorrido 53 países, foi a singularidade do olhar dos portugueses que o fascinou. “Olham as pessoas nos olhos, transmitem-me uma surpresa permanente, um espírito de descoberta, falam com o coração, dizem poesia nas coisas mais corriqueiras. Descobriram meio mundo e fizeram uma revolução com cravos, onde é que se encontram pessoas assim?”, explica o artista.

“Se mais mundo houvera, lá chegara”, é com estas palavras de Luíz Vaz de Camões que Stanislas Kalimerov explica o sentimento que o olhar dos portugueses lhe provocou, referindo-se à “história e a alma desse povo que está por todo o mundo”.

Retratos a preto e branco porque “a alma não tem cor”

Demorou três anos a fotografar, com uma câmara analógica, os rostos de 30 jovens portugueses no Bairro Alto, em Lisboa. Os retratos são resultado do “primeiro disparo” da câmara e estão a preto e branco, porque, segundo o artista, “a alma não tem cor”.

Os portugueses tiveram apenas de se vestir de branco e/ou negro e, apesar de desconhecerem o motivo que levara Stanislas Kalimerov a fotografá-los, emocionaram-se com o resultado final.

À procura do “olhar português” pelo mundo

Tendo em conta os bons resultados, este artista pretende estender o projeto e fotografar o “olhar português” em todos os países lusófonos. No entanto, o projeto depende de apoios e financiamentos que, com a crise, são escassos.

“A intensidade e a afetividade do olhar português, e esta paixão, claro, fazem com que eu consiga distinguir um português onde quer que seja, onde quer que o encontre, fazem com que eu consiga encontrar raízes portuguesas nos africanos, nos indianos, nos sul-americanos”, conta.

19 dos 30 retratos de “Um olhar português” já foram expostos no Convento dos Inglesinhos (Lisboa), em 1995, e encontram-se agora, com entrada livre, em Paris.

Clique AQUI para aceder aos retratos dos jovens portugueses e AQUI para visitar o Facebook do fotógrafo.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close