Sociedade

Parceiros sociais querem aumento do salário mínimo

Patrões e sindicatos querem pressionar o Governo a aceitar uma subida do salário mínimo nacional, que neste momento está nos 485 euros.
Versão para impressão
Patrões e sindicatos querem pressionar o Governo a aceitar uma subida do salário mínimo nacional, que neste momento está nos 485 euros. Os parceiros acordaram, esta terça-feira, apresentar uma proposta única de aumento SMN que pressione o Governo a abrir as negociações com a 'troika'.

“O grande entrave é o memorando de entendimento que impede o aumento do salário mínimo (…) Os parceiros estão disponíveis para aferirem em acordo bilateral esse aumento e levar o Governo a rever junto da 'troika' a sua posição”, disse o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva à saída da reunião de concertação social.

Segundo o responsável, citado pela gência Lusa, há vontade de todos os parceiros – patrões e sindicatos – para discutirem esta questão “numa base séria e construtiva” e chegarem a um acordo que salvaguarde alguns setores mais expostos à concorrência internacional.

Para o presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), João vieira Lopes, a reunião desta terça-feira foi “dececionante”, uma vez que se “volta à estaca zero”, com o ministro de Economia a pedir uma vez mais para os parceiros apresentarem prioridades para a discussão.

Relativamente ao SMN, refere, “o Governo não é muito claro se há disposição para negociar com a 'troika'”. “Vamos trabalhar para encontrar um consenso nesta área para apresentar uma proposta ao Governo”, disse.

A UGT pretende uma subida imediata do SMN para os 500 euros, de forma a fazer respeitar o acordo tripartido de 2006, mas a CGTP reivindica um aumento até aos 515 euros. Os patrões pretendem, por seu turno, um aumento faseado e que tenha em conta setores mais desprotegidos ou expostos à concorrência internacional.

Portugal tem o salário mínimo mais baixo da Zona Euro

Portugal tem o salário mínimo mais baixo da Zona Euro e o sexto mais baixo de toda a União Europeia, segundo dados do Eurostat. Os sindicatos têm vindo a defender que este aumento vai ajudar a combater a crise e o empobrecimento da população contribuindo para a recuperação económica.

De recordar que, em Janeiro, o presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Junker, propôs a criação de um salário mínimo comum em toda a Europa e outras medidas de solidariedade para evitar que “desapareça a dimensão social da União Europeia”.
 
“É imprescindível estarmos de acordo com um salário mínimo europeu”, afirmou Junker perante a Comissão de Assuntos Económicos do Parlamento Europeu, onde defendeu que “é uma medida essencial, porque se assim não acontecer, “perder-se-á o apoio da classe trabalhadora na Europa”.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close