Mundo

Paquistão nomeia 1ª mulher juíza para tribunal islâmico

O tribunal islâmico federal do Paquistão, que aprecia as leis à luz das regras religiosas muçulmanas, nomeou, esta segunda-feira, a primeira mulher para integrar o seu coletivo de juízes.
Versão para impressão
O tribunal islâmico federal do Paquistão, que aprecia as leis à luz das regras religiosas muçulmanas, nomeou, esta segunda-feira, a primeira mulher para integrar o seu coletivo de juízes.

Trata-se da primeira vez na História  que uma mulher é escolhida para o cargo de juiza neste tribunal criado em 1980, durante a ditadura militar de Ziaul Haq, que se rege pelos princípios das regras islâmicas, conhecidas coletivamente como “charia”.
 
A nova juiza, Ashraf Jehan, de 56 anos, já exercia a mesma função na mais alta instância judicial da província de Sind, no sul do Paquistão, o segundo país muçulmano mais populoso do mundo, com 180 milhões de habitantes. 
 
Em raras declarações prestadas à imprensa, Agha Rafiq Ahmed, juiz-presidente daquele tribunal, afirmou que esta “foi uma cerimónia de juramento histórica, já que uma senhora juiza competente se juntou ao tribunal islâmico”.
 
“Não há nenhum obstáculo na Constituição a que uma mulher seja juiza num tribunal islâmico e nós não fazemos qualquer discriminação entre homens e mulheres”, assegurou o alto responsável, que se congratulou por ter tomado uma “iniciativa” que, no seu entender, envia “uma mensagem ao resto do mundo” de que os paquistaneses são “um povo iluminado” e que existem “muitas ideias erradas” sobre o islão e os muçulmanos. 
 
A principal função do tribunal federal islâmico é assegurar que as leis do Paquistão estão conformes aos preceitos do Alcorão, livro sagrado para o islão, bem como às palavras e aos atos do profeta Maomé. No caso de uma lei violar o espírito do islão, o tribunal exige às autoridades nacionais que a emendem, não dispondo de competência para a alterar.
 
Em qualquer dos casos, a existência do tribunal continua a ser contestada pela oposição, que o considera um resquício de uma época de islamização das instituições do país, que ainda prevê a pena de morte para casos de profanação religiosa.
 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close