Ambiente

Papuásia Nova-Guiné: 200 novas espécies

Uma expedição de dois meses organizada pela Conservation International (CI), em 2009, permitiu identificar 200 novas espécies na Papuásia Nova-Guiné. Entre elas encontra-se um género novo de mamífero roedor.
Versão para impressão
[Fotografia: © Steven Richards/Piotr Naskrecki/Ingi Agnarsson/Andrea Lucky/Wayne Takeuchi]

Uma expedição de dois meses organizada pela Conservation International (CI), em 2009, permitiu identificar 200 novas espécies na Papuásia Nova-Guiné. Entre elas encontra-se um género novo de mamífero roedor.

A exploração foi feita em duas montanhas de ilhas diferentes do país – Nakanai, na ilha de Nova Bretanha e Muller, na ilha de Nova Guiné – que se mantêm protegidas da exploração humana e desconhecidas da ciência por serem tão inacessíveis. No total, os investigadores encontraram 24 rãs, nove plantas, duas espécies de mamíferos, cem aranhas e cem insetos, que incluem formigas e alguns parentes dos grilos.

“Estas descobertas devem servir como uma mensagem de cautela sobre o muito que ainda desconhecemos dos locais escondidos na Terra e que só conseguiremos preservá-los através de uma gestão coordenada e de longa-duração”, explicou Leeanne Alonso, diretor do Grupo de Avaliação Rápida da CI, no comunicado da entidade.

O roedor descoberto em Nakanai é um ratinho que vive em altitudes superiores a 1590 metros, com patas pequenas e dentes incisivos projetados para a frente, que permitem escavar e carregar solo.

Uma das novas espécies da família Tettigoniidae, parentes dos grilos, tem a particularidade de dar pontapés com as patas traseiras espinhosas quando ameaçada. Segundo um cientista que experimentou o ataque, o golpe é doloroso.

Os investigadores esperam que estas importantes descobertas contribuam para a classificação destes locais como Património da Humanidade, para evitar a destruição e exploração da região, especialmente das zonas de altitude baixa das ilhas.

“Espantou-me a quantidade de floresta que desapareceu nas regiões de baixa altitude para a produção de óleo de palma. A inclinação da montanha limitou a destruição, mas se as pessoas começarem a construir estradas, estas áreas vão tornar-se mais acessíveis”, disse Stephen Richards, coordenador da expedição.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close