Mundo

Países lusófonos bem sucedidos na luta contra a fome

Angola, Brasil e São Tomé e Príncipe fazem parte de uma lista de 38 países que cumpriram os objetivos estabelecidos internacionalmente na luta a contra a fome, antecipando o prazo estipulado para 2015, avançou a agência Lusa.
Versão para impressão
Angola, Brasil e São Tomé e Príncipe fazem parte de uma lista de 38 países que cumpriram os objetivos estabelecidos internacionalmente na luta contra a fome, antecipando o prazo estipulado para 2015, avançou a agência Lusa de acordo com a Fundação das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).

Angola e Brasil estão entre os 20 países que conseguirem reduzir para metade o número de pessoas a passar fome, a par com a Argélia, Bangladesh, Camboja, Chile e Indonésia, entre outros, cumprindo o Objetivo de Desenvolvimento do Milénio número 1 (ODM-1).

Houve ainda 18 países que receberam distinção porque, além de alcançarem o ODM-1, cumpriram também a meta mais exigente da Cimeira Mundial sobre a Alimentação (CMA), reduzindo para metade o número total de pessoas que, embora não passem fome, estão desnutridas.

São Tomé e Príncipe foi um dos países que conseguiu alcançar estas duas metas, tal como a Arménia, Azerbaijão, Cuba, Djibuti, Geórgia, Gana, Guiana, Kuwait, Quirguistão, Nicarágua, Peru, São Vicente e Granadinas, Samoa, Tailândia, Turcomenistão, Venezuela e Vietname.

Citado pela Lusa, o brasileiro José Graziano da Silva, diretor-geral da FAO, referiu que “estes países estão a abrir o caminho para um futuro melhor. São a prova de que com uma forte vontade política, coordenação e cooperação, é possível conseguir reduções rápidas e duradouras para a fome”.

O responsável da FAO apelou ainda a todos os países para manterem a dinâmica e, assim, alcançarem a erradicação da fome, de acordo com o Desafio Fome Zero, lançado em 2012, pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

“Globalmente, a fome diminuiu na última década, mas 870 milhões de pessoas estão desnutridas e outros milhões de seres humanos sofrem com as consequências das deficiências de vitaminas e sais minerais, incluindo a falta de crescimento entre as crianças”, acrescentou.

Segundo um estudo da FAO “O estado da insegurança alimentar no mundo em 2012”, a grande maioria das vítimas de fome, 852 milhões, vivem em países em desenvolvimento – cerca de 15% da sua população – e 16 milhões de pessoas estão desnutridas nos países desenvolvidos.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close