Mundo

Países Árabes condenam violência na Síria

NULL
Versão para impressão
O rei Abdullah da Arábia Saudita juntou-se segunda-feira à comunidade internacional, condenando a violência que se tem feito sentir na Síria e pedindo ao regime que pare o derramamento de sangue.

“O reino da Arábia Saudita não aceita o que está a acontecer”, disse o monarca num comunicado lido na estação de televisão Al Arabiya. “Não há justificação para o derramamento de sangue na Síria, o que está acontecer não tem nada a ver com religião ou ética. O regime sírio deve implementar reformas abrangentes rapidamente.”

Abdullah evocou as suas “responsabilidades históricas em relação aos seus irmãos” e pediu “o fim da máquina de morte antes que seja demasiado tarde”.

“A Síria só tem duas escolhas para o seu futuro: optar voluntariamente pela sensatez ou afundar-se no caos e na violência”, acrescentou o rei saudita.

Também o Kuwait já tinha condenado o regime no fim de semana, com o ministro dos Negócios Estrangeiros a exigir “reformas reais que atendam às necessidades legítimas do povo sírio.”

Os dois países e o Bahrein convocaram entretanto os seus embaixadores em Damasco a voltarem aos seus países, enquanto A Liga Árabe emitiu um comunicado pedindo às autoridades sírias que “acabem imediatamente com todos os atos de violência e de campanhas contra civis e acelerem a execução de reformas.”

Os protestos que tiveram início em Damasco, a 15 de março já vitimaram pelo menos 1700 pessoas e resultaram na detenção, por parte do regime, de dezenas de milhares de pessoas, segundo avançam ativistas no terreno.

As histórias de violência continuam, com relatos de sírios sob anonimato a avançarem segunda-feira que as autoridades terão morto dezenas de pessoas num cemitério, durante funerais de vítimas da repressão.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close