Saúde

Paciente recebeu primeiro coração artificial do mundo

Pela primeira vez na história da medicina internacional, um paciente recebeu, na quarta-feira, um coração artificial autónomo. Concebido pela empresa francesa Carmat, o órgão foi implantado num homem que sofria de insuficiência cardíaca terminal.
Versão para impressão
Pela primeira vez na história da medicina internacional, um paciente recebeu, na quarta-feira, um coração artificial autónomo. Concebido pela empresa francesa Carmat, o órgão foi implantado num homem que sofria de insuficiência cardíaca terminal por uma equipa de especialistas do hospital Georges Pompidou, em Paris, França.
 
O anúncio foi feito na passada sexta-feira pela empresa que criou este coração artificial, que realçou, em comunicado citado pela AFP, que a intervenção que resultou no implante do coração corresponde a um feito inédito em todo o mundo.
 
“Este primeiro implante foi realizado de forma satisfatória (…). O paciente encontra-se, atualmente, sob vigilância e nos cuidados intensivos, está acordado e fala com a família”, revelaram os responsáveis da companhia.
 
Foi no final de Setembro que as autoridades de saúde francesas deram luz verde para que os especialistas avançassem com a cirurgia, que abre novas perspetivas a pacientes condenados devido à escassez de órgãos disponíveis para transplante. 
 
As condições propostas pelas autoridades sanitárias daquele país estabeleciam que o paciente que recebeu o implante, cuja identidade não foi divulgada, teria de sofrer de insuficiência cardíaca terminal, com um prognóstico vital comprometido e sem alternativa terapêutica. 
 
Apesar do sucesso, a equipa está cautelosa. “Estamos a comemorar este primeiro implante, mas seria prematuro tirar conclusões, já que se trata de um único implante e de um pós-operatório ainda muito breve”, alertou Marcello Conviti, diretor-geral da Carmat.  

Outros hospitais do mundo já estão prontos para realizar implante
 

De acordo com a empresa, este implante, construído com recurso a bases científicas “sólidas”, possui “uma funcionalidade e durabilidade exemplares”, sendo particularmente indicado para os pacientes idosos, que não podem esperar muito tempo por um transplante. 
 
“[O coração artificial] imita totalmente um coração humano normal, com dois ventrículos que movimentam o sangue como faria o músculo cardíaco, com sensores que permitem acelerar o coração, desacelerar, aumentar a cadência, diminuir a cadência”, tinha ilustrado, em Setembro, o médico e co-fundador da Carmat Philippe Pouletty.
 
“O doente dorme, [o ritmo cardíaco] diminui. Sobe escadas, acelera. Portanto, nada tem a ver com uma bomba mecânica”, acrescentou Pouletty. 
 
A Carmat, fundada pelo cirurgião francês Alain Carpentier, que se celebrizou por ter inventado as válvulas cardíacas Carpentier-Edwards, ambiciona atenuar a falta de órgãos para transplante que diminui a esperança de milhares de pessoas com insuficiência cardíaca avançada. 
 
A companhia acredita que este coração artificial tem potencial para salvar, por ano, dezenas de milhares de vidas, sem risco de rejeição e garantindo aos pacientes uma qualidade de vida sem precedentes.
 
Além de França, outros hospitais já estão equipados para realizar operações do género, nomeadamente na Bélgica, Polónia, Eslovénia e Arábia Saudita. 

Notícia sugerida por Elsa Martins e Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close