Ciência

Ouvir música alegre melhora a capacidade cognitiva

Ouvir música alegre e positiva pode melhorar as capacidades cognitivas, aumentando o "estado de alerta" do cérebro. A conclusão é de um novo estudo britânico, que utilizou como base os concertos da série As Quatro Estações, de Vivaldi.
Versão para impressão
Ouvir música alegre e positiva pode melhorar as capacidades cognitivas, aumentando o “estado de alerta” do cérebro. A conclusão é de um novo estudo britânico, que utilizou como base os concertos da série As Quatro Estações do compositor italiano Vivaldi, revelando benefícios ao nível da atenção e da memória.
 
O estudo, desenvolvido por Leigh Riby, da Universidade de Northumbria, envolveu 14 jovens adultos aos quais foi pedida a realização de uma tarefa de concentração, que consistia em carregar na barra de espaço de um teclado quando aparecesse um quadrado verde no ecrã do computador, ignorando os círculos de várias cores e outros quadrados que surgiam de forma intermitente.
 
Segundo um comunicado da universidade, os participantes levaram a cabo esta tarefa em silêncio e, depois, a ouvir cada um dos quatro concertos. No decorrer do processo, a atividade cerebral dos jovens foi medida através de eletroencefalografia (a aplicação de elétrodos no couro cabeludo para analisar as correntes elétricas do encéfalo). 
 
Em média, os participantes responderam corretamente com mais rapidez enquanto ouviam a Primavera de Vivaldi. Quando tinham aquela música como pano de fundo, o tempo médio de resposta foi de 393,8 milissegundos, ao passo que, em silêncio, levaram, em média, 408.1 milissegundos a completar a tarefa com sucesso. 
 
Por outro lado, o tempo de resposta aumentou para os 413.3 milissegundos quando ouviam o Outono do compositor italiano, uma música mais lenta e obscura, o que indiciou uma diminuição da capacidade mental.

Primavera de Vivaldi poderá ser usada como terapia
 

De acordo com Leigh Riby, o aspeto mais importante das conclusões obtidas, publicadas na revista científica Experimental Psychology, diz respeito ao facto de a Primavera, uma música mais alegre e animada, ter desencadeado uma melhoria na resposta emocional dada pelo cérebro.
 
“A Primavera melhorou a atividade geral do cérebro e provocou um efeito exagerado na área cerebral que é responsável pelo processamento emocional. Aparenta, portanto, ter gerado imagens particulares no cérebro e evocado sensações de satisfação que se manifestaram através de um melhor funcionamento cognitivo”, explica o psicólogo.
 
O coordenador da investigação acredita mesmo que esta música é “particularmente especial” e “poderia ser utilizada com finalidades terapêuticas”, além de ser uma composição familiar para a maioria das pessoas, já que tem sido muito utilizada, com bons resultados, na área do marketing, para despertar determinadas sensações e influenciar o comportamento.
 
“Este estudo comprova que existe um efeito indireto da música ao nível da cognição que é criado pelo humor, a atenção e a emoção”, mostrando que “a capacidade cognitiva é melhorada quando são introduzidos estímulos prazerosos e que despertam”, conclui Riby.

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close