Saúde

Orégãos têm potencial para tratar cancro da próstata

Um estudo recente desenvolvido por investigadores norte-americanos indicou que um componente da erva aromática poderá contribuir para o tratamento.
Versão para impressão
Não é novidade que os orégãos, utilizados frequentemente para o tempero de pizzas e massas, têm benefícios diversos para a saúde. Porém, um estudo recente desenvolvido por investigadores da Long Island University (LIU), nos EUA, revelou algo até agora desconhecido, indicando que um componente desta erva aromática tem potencial para tratar o cancro da próstata. 
 
A substância em questão é o carvacrol e está atualmente a ser testada nas células cancerígenas por Supriya Bavadekar, professora de farmacologia, e pela sua equipa. De acordo com o portal Science Daily, os resultados têm demonstrado que aquele elemento conduz à apoptose – a morte programada das células cancerígenas, ou seja, o “suicídio celular”. Os cientistas estão agora a tentar compreender como se processa a atuação do carvacrol e de que forma leva à extinção das células doentes.
 
“Sabemos que os orégãos possuem propriedades antibacterianas e anti-inflamatórias, mas os seus efeitos nas células cancerígenas podem dar-lhe uma utilidade completamente nova”, afirmou Bavadekar. Embora a investigação se encontre numa fase preliminar, a especialista considera que os dados iniciais evidenciam um enorme potencial de uso desta erva aromática como agente anti-cancerígeno. 
 
“Uma grande vantagem é que os orégãos são muito usados para temperar a comida e são reconhecidos como seguros nos EUA. Portanto, esperamos que esse facto possa diminuir o risco de efeitos tóxicos graves”, acrescentou Bavadekar. 
 
A este propósito, a cientista sublinhou que, no passado, outros estudos demonstraram que comer pizza poderia reduzir o risco de cancro, efeito atribuído a uma substância encontrada no molho de tomate. No entanto, sabe-se agora, a utilização dos orégãos como tempero poderá ter tido, também, influência nestes resultados.
 
Bavadekar, que apresentou o estudo esta semana na Experimental Biology 2012, mostra-se, portanto, otimista em relação ao futuro. “Se o estudo continuar a produzir bons resultados, esta super especiaria pode representar uma terapia muito promissora para quem sofre de cancro na próstata”, concluiu a especialista.
 

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close