Saúde

OMS garante acordo para evitar fuga de médicos


A Organização Mundial da Saúde (OMS) garantiu a aprovação de um código de conduta assinado por ministros da saúde de 193 países para evitar a fuga de médicos e enfermeiros dos países mais desfavorecidos, em especial no continente africano.
Versão para impressão
A Organização Mundial da Saúde (OMS) garantiu a aprovação de um código de conduta assinado por ministros da saúde de 193 países para evitar a fuga de médicos e enfermeiros dos países mais desfavorecidos, em especial no continente africano.

Trata-se de um acordo histórico e o segundo código voluntário, sem vinculações, aprovado no seio da OMS, conforme refere a edição do jornal espanhol El Mundo.

“Alcançámos acordos muito importantes sobre assuntos que são verdadeiramente importantes para a saúde pública em todo o mundo. Graças a todos os esforços realizados hoje agora temos um código de conduta sobre o recrutamento internacional de pessoal médico”, congratulou-se a diretora da OMS, Margaret Chan, durante o discurso de encerramento da assembleia anual que decorreu em Genebra.

Os EUA, os maiores “importadores” de médicos e enfermeiros no estrangeiro, assumiram nesta reunião um papel preponderante. Comprometeram-se a apoiar firmemente este código de conduta em que as nações mais ricas se responsabilizam pelos princípios éticos e critérios económicos da contratação de pessoal médico, e responsabilizam-se em aumentar as ajudas para a formação de médicos em países com menos recursos.

“Reconhecemos a grave escassez de pessoal médico qualificado nos países mais pobres do mundo (.) e estamos comprometidos a proporcionar a ajuda que necessitam”, garantiu o representante norte-americano.

Os países na África subsaariana, que tem os maiores índices de natalidade e morte materno-infantil, contam com apenas 3% de trabalhadores médicos, segundo exemplifica a OMS.

É cada vez maior o número de trabalhadores de pessoal médico que aceita ofertas de trabalho em outros países como EUA, Canadá, Austrália, Reino Unido e Nova Zelândia que proporcionam melhores salários e que oferecem mais oportunidades para as famílias do mesmo.

Geram assim uma autêntica “sangria” de trabalhadores que são essenciais nestes países que fazem esforços consideráveis a nível social e académico para formar pessoal qualificado.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close