Fitness & Bem-estar

Oficina da Psicologia: 7 dicas para gerir as emoções

"Hoje sinto-me bem. Estou feliz!" Identifica-se com estas expressões? Sente-se habitualmente assim e não percebe porquê? Estas são algumas das emoções que experienciamos ao longo da nossa vida. Mas o que é isto a que chamamos de emoções e que, no fun
Versão para impressão
por Cláudia Sintra Vieira, psicóloga

Cláudia Sintra VieiraO que é isto a que chamamos de 'emoções' e que, no fundo, são o espelho daquilo que sentimos? De uma forma simples as emoções são sinais internos do nosso corpo que nos dizem que alguma coisa está a acontecer.
Quando algo de bom nos acontece nós sentimo-nos bem, quando, pelo contrário, algo corre mal, sentimo-nos tristes, ansiosos. No fundo, as nossas emoções são como o nosso telejornal privado, que nos dão constantes atualizações sobre aquilo que estamos a fazer e a experienciar. 


As emoções podem ser primárias ou secundárias. As reações iniciais ao que está a acontecer são denominadas de emoções primárias. Estas são sentimentos, sensações fortes que surgem muito rapidamente e que não dependem de um pensamento sobre o que aconteceu para surgirem. Por exemplo, se ganharmos o euromilhões, sentimo-nos automaticamente surpreendidos. Se alguém que nos é querido morre, rapidamente nos sentimos tristes. 

O que são emoções secundárias
 
Por outro lado, as emoções secundárias são reações às emoções primárias, ou seja, são “aquilo que sentimos sobre os nossos sentimentos”. Por exemplo, imagine que o João gritou com a sua irmã porque esta lhe disse algo que o irritou. Esta raiva surgiu muito depressa. Pouco depois sentiu-se culpado por se ter irritado com a irmã. A irritação foi a primeira emoção e a culpa a emoção secundária. 


Porém, é também possível experienciar numerosas emoções secundárias em resposta a uma emoção primária. Por exemplo, a Maria ficou ansiosa quando lhe pediram para fazer uma futura apresentação no trabalho. Com o aproximar do dia, ficou cada vez mais deprimida ao pensar em quão ansiosa estava a ficar, e começou a sentir-se inútil, a sentir que não conseguiria fazer uma simples apresentação. Depois do dia da apresentação, a Maria começou a sentir-se culpada por ter feito um grande aparato acerca desta situação.

Aqui conseguimos ver como as emoções de uma pessoa se tornam muito complexas, de um momento para o outro: a ansiedade foi a primeira emoção, a depressão, a inutilidade, a culpa foram as emoções secundárias em resposta à ansiedade. 
 
Como é que as emoções funcionam?
 
As emoções são sinais químicos e elétricos do nosso corpo que nos alertam para o que está a acontecer. Estes sinais começam, muitas vezes, com as nossas sensações visuais, toque, cheiro e paladar. Então estes sinais viajam até ao nosso cérebro, onde são processados numa área que chamamos sistema límbico, o qual é especializado em observar e processar as emoções para que possamos responder em situações emocionais.

O sistema límbico está, também, ligado a todo o cérebro e corpo para que possa dizer ao nosso corpo o que fazer para responder em determinadas situações emocionais.
 

As emoções são importantes por variadas razões. Imagine que vai a andar pela rua quando de repente um cão grande e raivoso ladra e corre atrás de si. Nesse momento, um sinal emocional foi enviado, pelos olhos e ouvidos para o seu cérebro. O sistema límbico processou a informação sem que pensasse no que estava a fazer. Este tipo de resposta é chamado de “luta ou fuga”, e determina se fica para lutar com o cão ou foge da situação. Imagine que sabiamente escolhe fugir e escapa ileso. As suas emoções ajudaram-no a sobreviver e a evitar qualquer sofrimento. 
 
Vamos supor que duas semanas mais tarde está novamente a andar pela mesma rua e rapidamente começa a sentir medo. A isto se chama de resposta condicionada. O seu sistema límbico está a tentar protegê-lo fazendo com que se recorde do cão perigoso que viu nesta rua. Sensatamente, escolhe outra rua para evitar o cão. Neste exemplo, as suas emoções inicialmente ajudam-na(o) a escapar do perigo e do sofrimento, e posteriormente ajudam-na(o) a evitar um potencial dano.
 
No fundo, as nossas emoções são sinais que nos ajudam a sobreviver (relembrar pessoas e situações), a lidar com situações do dia-a-dia, a comunicar com os outros, a evitar a dor e a procurar o prazer e o bem-estar.
 
7 dicas para gerir melhor as emoções
 
Como já sabemos as emoções estão sempre presentes ao longo do nosso dia-a-dia e, invariavelmente, ao longo de toda a nossa vida. No fundo, fazem parte de nós.

E por isso mesmo é importante perceber o que estamos a sentir e tomar consciência disso, pois assim conseguimos alcançar o equilíbrio emocional, que tanto desejamos nas nossas vidas.
 
Mas o que posso fazer para ter mais consciência das minhas emoções e dar-lhes respostas adequadas? Pode fazê-lo de diversas formas
  1. – Seja curioso e questione o que está a sentir! Tente encontrar uma ou duas palavras que melhor descrevam o que está a sentir;
  2. Quando reparou pela primeira vez naquilo que estava a sentir? Ou seja, esta emoção é recente? Ou quase que já faz parte de si e da sua vida?
  3. O que despoletou esta emoção? Tente perceber a causa, o motivo pelo qual este sentimento surgiu.
  4. Que outros fatores podem estar a contribuir para o surgimento e manutenção dessa emoção? 
  5. Como responder à emoção? Depois de a identificar e ter consciência da mesma, reflita sobre qual a melhor forma de dar resposta ao que está a sentir. Por vezes é benéfico agir automaticamente em situações relacionadas com a sobrevivência, mas noutras devemos ponderar o que fazer! 
  6. Não queria não sentir a emoção! Suprimir só irá fazer com que ela surja mais vezes e fique cada vez mais intensa! Estarmos com as nossas emoções, por mais difícil que pareça, é a melhor resposta ? E quando se sentir preparado deixa-a ir! 
  7. As emoções são temporárias! Por isso mesmo não tenha receio em estar com elas, mesmo que dolorosas, não duram para sempre!
 
Já reparou que muitas vezes a carga negativa que atribuímos às nossas emoções é apenas o nosso cérebro a sinalizar que alguma coisa não está bem connosco? A sinalizar que temos de dar resposta ao nosso sofrimento, desafios e vivências de vida?
 
A capacidade de pensarmos sobre as nossas emoções ajuda-nos a criar um amortecedor entre aquilo que sentimos e as nossas respostas, fazendo com que deixemos de agir no ?calor do momento? e/ou de forma impulsiva.
E é assim que conseguimos ter algum controlo sobre diversas circunstâncias e acontecimentos na nossa vida.
 
Por isso mesmo, hoje escolha reparar no bom, nas emoções tal como elas são – porque no fundo não podemos mudar o espelho daquilo que sentimos (emoções) mas sim a forma como olhamos e lidamos com o que vemos no espelho. Comece hoje a dar outro rumo às suas emoções: seja o principal condutor da sua vida!

  __________________

 
Para saber mais sobre este projeto visite www.oficinadepsicologia.com ou http://www.facebook.com/oficinadepsicologia

Image and video hosting by TinyPic

 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close