Ambiente

Oceanário devolve ao mar tartarugas em cativeiro

No passado dia 1 de Novembro, duas tartarugas marinhas, da espécie Caretta caretta, foram devolvidas ao mar pelo Oceanário de Lisboa. Daisy e Touché estiveram dois anos em recuperação no aquário da capital, onde foram preparadas para, agora, serem d
Versão para impressão
No passado dia 1 de Novembro, duas tartarugas  marinhas, da espécie Caretta caretta, foram devolvidas ao mar pelo Oceanário de Lisboa. Daisy e Touché estiveram dois anos em recuperação no aquário da capital, onde foram preparadas para, agora, serem devolvidas ao seu habitat natural, ao largo das ilhas Desertas, no arquipélago da Madeira.
 
A cada uma delas foi anexado um transmissor via satélite que vai permitir o  acompanhamento das mesmas no oceano. A operação contou com o apoio da Marinha Portuguesa, que providenciou o transporte e a logística necessária para a reintrodução das tartarugas no mar.
 
Touché, a maior das duas tartarugas, tem mais de 40 anos e foi capturada acidentalmente por artes de pesca, perto da Figueira da Foz. Ferida, foi entregue a um particular e mantida num aquário de um restaurante. Por sua vez, Daisy, foi capturada acidentalmente 10 anos mais tarde, nas águas de Marrocos, e levada para o mesmo local, tendo sido alimentadas à mão, numa rotina diária.
 
Em Fevereiro de 2007, as duas foram entregues ao Centro de Reabilitação de Animais Marinhos de Quiaios  e, durante o período de permanência no centro, foi iniciado um processo de reabilitação com o objetivo de contrariar a rotina de alimentação à mão e a presença constante de pessoas. Durante este período, as duas tartarugas marinhas ganharam massa muscular, acabando por aumentar de tamanho e peso.
 
Hoje, Touché tem 142 quilos e Daisy 91. Quando chegaram ao Oceanário, em Março de 2011, cada uma tinha 90 e 75 quilogramas, respetivamente. Coabitaram com outras espécies e foram estimuladas à procura e captura de alimento vivo, com o objetivo de as preparar para a reintrodução no seu ambiente natural.
 
A tartaruga-comum vive em todos os oceanos, desde latitudes temperadas até subtropicais. Tem uma mandíbula grande e poderosa para esmagar as suas presas e alimenta-se de invertebrados, peixes e algas. No âmbito da exposição temporária “Tartarugas Marinhas – A Viagem”, coabitaram com outras espécies e foram estimuladas à procura e captura de alimento vivo.
 
Acompanhe AQUI o percurso da Daisy e da Touché no seu regresso ao oceano.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close