Ciência

OAL: Super Lua ilumina os céus em Junho

No mês em que ocorre o solstício de Verão, marcando o início do Verão no hemisfério Norte e Inverno no hemisfério Sul, vamos ter oportunidade de observar a Lua de forma diferente.
Versão para impressão
No mês em que ocorre o solstício de Verão, marcando o início dessa estação no hemisfério Norte e do Inverno no hemisfério Sul, vamos ter oportunidade de observar a Lua de forma diferente. No dia 23 de Junho, o céu recebe uma Lua cheia e imponente, fenómeno que é designado por Super Lua e no qual o satélite natural da Terra pode ser visto com um tamanho até 14% maior e 30% mais brilhante.

por João Retrê (astrónomo)

 
A Lua completa uma órbita em torno da Terra a cada 27,32 dias e encontra-se a uma distância média de 384.400 quilómetros. Falamos em distância média pois a órbita da Lua não é circular mas sim elíptica e, como tal, esta não se encontra sempre à mesma distância do nosso planeta.

Assim sendo, todos os meses, a Lua passa por um ponto da sua órbita em que se encontra mais próxima da Terra (perigeu) e outro em que se encontra mais distante (apogeu). Devido às forças gravitacionais dominadas pelo Sol, a Lua sofre pequenas variações na sua órbita, fazendo com que a distância a que se encontra da Terra no perigeu e apogeu variem em cada órbita completa. No perigeu e apogeu médios, a distância Lua-Terra é de 363.100 e 405.700 quilómetros, respetivamente. 
 

Quando a Lua se encontra no perigeu, o seu tamanho aparente e brilho aumentam para um observador na Terra, pois encontra-se mais perto de nós. Este aumento no tamanho e brilho é mais proeminente quando se dá um fenómeno bastante raro designado por Lua Cheia no Perigeu, no qual a fase de Lua cheia coincide com o momento da sua passagem no perigeu.

Nas raras ocasiões – com intervalos de dezenas de anos – em que isto acontece, podemos observar a nossa lua com um tamanho cerca de 14% maior e 30% mais brilhante comparativamente com uma lua cheia no apogeu [ver figura abaixo]. 

Image and video hosting by TinyPic

Este esquema elaborado pelo astrónomo João Retrê reflete a diferença de tamanho com que a Lua Cheia é percecionada a partir da Terra no Perigeu e no Apogeu – Foto da Lua @ NASA/Sean Smith

Nos últimos anos, surgiu o novo termo de Super Lua que tem vindo a tornar-se cada vez mais popular. Contudo, é necessário frisar que uma Super Lua não é o mesmo que uma Lua Cheia no Perigeu. Ao contrário desta última, em que a Lua cheia coincide exatamente com o perigeu, uma Super Lua ocorre sempre que a Lua se encontra em fase cheia e a pelo menos 90% da sua maior aproximação à Terra numa dada órbita. A Super Lua é relativamente comum mas, mesmo assim, acontece apenas, em média, uma vez por ano. Por outro lado, devido à variação da distância Lua-Terra no perigeu, nem todas as Super Luas têm o mesmo tamanho aparente e brilho. 
 

No próximo dia 23 de Junho, a Lua passará no perigeu às 12:11 (hora legal de Portugal continental) e atingirá a fase de Lua cheia às 12:32 fazendo com que haja 21 minutos de diferença entre ambos os acontecimentos. Desta forma, a Lua de dia 23 não será uma Lua Cheia no Perigeu mas sim um Super Lua pois o nosso satélite natural estará ainda próximo do perigeu aquando da sua fase de Lua cheia. Mesmo assim, esta será a Super Lua mais imponente até Agosto de 2014. 
 
Neste 23 de Junho, a Lua nascerá às 21:06 e por isso não será possível observar o instante em que passará no perigeu. No entanto, não deixará de ser uma boa oportunidade para a observar à noite pois terá uma dimensão e brilho bem maior que o habitual.

Qual será a melhor forma para observar a diferença no tamanho da Lua neste dia? Se olharmos para a Lua quando esta estiver bem alto no céu torna-se mais difícil distinguirmos qualquer diferença entre o tamanho desta lua cheia e de outras que estamos habituados a ver, porque não temos pontos de referência no céu para nos oferecerem uma noção de escala. Assim sendo, a melhor altura para observar a Lua é logo após o seu nascimento, quando ainda se encontra perto do horizonte, onde árvores e edifícios nos podem fornecer uma noção de escala. 

Sessão de observação no OAL com entrada livre
 

Diversos desastres naturais têm sido atribuídos ao fenómeno da Super Lua, alegando que devido à proximidade desta no perigeu, as forças gravitacionais da Lua na Terra causam terramotos e cheias de grandes proporções. Há muitos anos que têm vindo a ser recolhidos dados que correlacionam a ocorrência de terramotos e este fenómeno astronómico, mas sem qualquer resultado positivo.

É verdade que quando a Lua se encontra mais próxima do perigeu, ocorrem marés mais altas na Terra devido ao seu efeito gravitacional, mas a variação da altura nestas marés, causada pela proximidade da Lua, é de apenas alguns centímetros (2 ou 3) e, nos casos mais extremos, até 15 centímetros (o que não é de todo uma grande cheia).

Assim sendo, podemos descontrair e aproveitar este espetáculo astronómico que dá as boas vindas ao Verão. Para facilitar a observação desta Lua, o Observatório Astronómico de Lisboa vai realizar uma sessão especial de observação da Super Lua no dia 23 de Junho, a partir das 20:30. A sessão é de entrada livre e não requer qualquer inscrição. 

 
O Observatório Astronómico de Lisboa e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa, têm promovido ao longo dos anos actividades de astronomia e astrofísica como cursos, visitas, palestras e observações astronómicas para o público em geral e formação especializada para a comunidade académica.

_________________________________________________________
 
O Observatório Astronómico de Lisboa e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa, têm promovido ao longo dos anos atividades ligadas à astronomia e astrofísica como cursos, visitas, palestras e observações astronómicas para o público em geral e formação especializada para a comunidade académica.
 

Para mais informações, consulte:

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close