Negócios e Empreendorismo

O sonho americano de uma chef portuguesa

Aos 49 anos Luísa Fernandes tinha um sonho por conquistar. Com uma paixão e um talento autêntico pela gastronomia, comprovados pelos restaurantes que abriu e onde trabalhou em Lisboa, lançou-se em 2003 à aventura com uma só certeza: era em Nova Iorqu
Versão para impressão
Aos 49 anos Luísa Fernandes tinha um sonho por conquistar. Com uma paixão e um talento autêntico pela gastronomia, comprovados pelos restaurantes que abriu e onde trabalhou em Lisboa, lançou-se em 2003 à aventura com uma só certeza: era em Nova Iorque, EUA, que o futuro lhe ia voltar a sorrir.

Depois de 30 anos como enfermeira e paraquedista em cenários complicados como o Sudão ou Ruanda, e já com os dois filhos criados era altura de ganhar coragem e alento para uma nova vida. Foi assim que decidiu partir em busca do “american dream”, que desde há muito tempo palpitava na sua mente.

A consagração do êxito da chef Maria Luísa, agora com 55 anos, natural de Leiria, que se orgulha em dar a conhecer as iguarias lusas além-mar, acontece quando é seleccionada entre mais de 2 mil candidatas para o programa da televisão norte-americano “Chopped”, semelhante ao “Top Chef” que passa na televisão em Portugal.

A receita de Mariscada foi uma das receitas chave para entrar no programa da Food Network. Em cada episódio de “Chopped” eram lançados desafios para a confecção de três refeições a partir de ingredientes surpresa. Luísa Fernandes aguentou a pressão na disputa entre os quatro chefs que entravam nesse episódio. Cativou o júri, suplantou os outros concorrentes e ganhou o título de Chopped Chef, o reconhecimento e um prémio em dinheiro. “Hoje fiquei com uma certeza, a idade é só um número”, confessou emocionada quando ouviu o seu nome como vencedora.

Das memórias de infância na aldeia da avó materna Maria Gil, que lhe formaram o prazer e a arte pela cozinha tradicional, ao pico da consagração junto do público norte-americano, Maria Luísa Fernandes fala ao Boa Noticias sobre como conquistou os EUA à sua maneira e sobre os planos para o futuro.

Aproveitamos também para anunciar que a partir do dia 18 de junho, o Boas Notícias vai contar, mensalmente, com uma receita exclusiva da Chef Luísa.





Ir para Nova Iorque perseguir o seu sonho e iniciar uma nova carreira profissional como Chef de cozinha aos 49 anos foi preciso coragem?

É sempre preciso ter coragem para dizer “Eu vou!” E Nova Iorque era um sonho que a minha mente perseguia desde há muito e decidi vir sozinha a falar um inglês que quase não era. Vim para casa de um casal conhecidos de uma minha amiga e que hoje são os meus melhores amigos aqui. Pensei: “se arranjar trabalho para me manter aqui fico, se não são umas férias!”. Ao fim de 6 dias estava a trabalhar como ´pastry chef` (chef de pastelaria) num restaurante português que hoje já não existe, “o Alfama”! Mas, confesso que foi preciso coragem. Quando aqui cheguei assustei me um pouco com a imensidão da cidade mas sempre pensei “Eu sou capaz!”.

Vencer o Chopped impulsionou a sua carreira aí em Nova Iorque?

Sim, vencer o ´Chopped Chef´ na cadeia de televisão ´Food Network´ é sempre um reconhecimento. No circuito profissional serei sempre, e no meu currículo estará sempre: ´Chopped Champion Chef´! Não é fácil uma chef europeia e não jovem caminhar junto dos grandes chefs americanos! E hoje o meu nome é reconhecido no circuito dos grandes chefs em Nova Iorque.

E como foi lidar com o reconhecimento do público?

O reconhecimento público foi muito engraçado. Muitas vezes no metro pediam me autógrafos. No restaurante as pessoas passavam só para me ver. Cheguei a entrar numa loja para comprar um presente para a minha neta Matilde e não me deixaram pagar! Como o meu programa repete muitas vezes, depois no dia seguinte à repetição repete-se a mesma história, é muito engraçado.

Como é que surgiu a oportunidade de participar no ´Chopped`?

Fui convidada para ir a um casting por um cliente que adorava o meu menu de ´brunch´. Um dia pediu para falar com a Chef e deu me um formulário para eu preencher e ir aos castings do “Chopped”! Disse que gostaria de me ver lá, mas que eu teria que fazer os castings e esperar para ser escolhida ou não! E assim lá foi a “portuguesa velhinha” que ficou nas 16 escolhidas entre 2006 Chefs mulheres!

Além da cozinha portuguesa que outras influências e em que é que se inspira para cozinhar e inventar novos pratos?

A nossa cozinha é a minha principal fonte de inspiração! Depois o que faço é adaptar ao gosto americano. Na “tradução” ganha logo outra roupagem! Nas sobremesas também adapto as apresentações com um design diferente! Depois a influência vem também com os produtos sazonais, as compras de vegetais frutos e legumes nos ´farmers markets´ que há pela cidade geralmente às quartas-feiras.
Image and video hosting by TinyPic

Qual é a perceção que os norte-americanos têm da cozinha portuguesa? Com a participação no Chopped pôde dar uma visibilidade extraordinária à gastronomia portuguesa, acha que chamou mais a atenção dos norte-americanos e que os surpreendeu?

Acho que sim, que surpreendeu os telespetadores do programa! Fiz um prato muito inspirado na nossa cozinha e isso chamou a atenção! Sozinha tenho também feito muito trabalho para divulgar a nossa cozinha! Cozinho pratos verdadeiramente portugueses e vou oferecê-los aos grandes Chefes de cozinha da cidade para lhes mostrar a nossa comida! Na minha última ação do género assei um leitão, fiz dobrada e pudim de claras com doce de ovos e fui oferecer ao restaurante da chef Alex Guarmacheli! Ela adorou e ficou muito emocionada.

Qual é a memória culinária mais antiga, da sua infância? Algum momento especial que nutra com carinho até hoje e a tenha influenciado no gosto pela cozinha?

As memórias mais antigas vêm da minha avó Maria Gil, da aldeia. Lembro-me de nas matanças do porco ver toda a gente a cozinhar a fazer os enchidos e pensar que eu também queria fazer. Foi com ela, com a minha avó materna que aprendi a fazer os enchidos que ainda hoje e mesmo aqui em Nova Iorque faço! Fiz os últimos há um mês para o senhor Embaixador português em Washington e mandei-os por correio, por Fedex! Sabe que aqui há de tudo, desde a tripa ao sangue para fazer os enchidos. Há tudo!

Image and video hosting by TinyPic

Tem família em Portugal? Como é que acolheram esta mudança de vida da Luísa?

Sim, tenho a minha família em Portugal! Os meus pais, os meus irmãos, sobrinhos, a minha filha Maria Júlia e o marido, a minha neta Matilde. Também a minha neta Sara que às vezes me vem visitar porque é a mais velha! Tenho ainda o meu filho António mas está a viver na Austrália! Tenho saudades mas esta cidade é a minha paixão também!

Qual é a sua melhor qualidade enquanto Chef? O que é que acha que a distinguiu dos outros concorrentes no Chopped, por exemplo?

Acho que a minha melhor qualidade como Chef é a minha paixão pela cozinha e a minha paixão pelo trabalho! A criatividade e o meu senso de humor também ajudam.

Tem saudades de Portugal? Pensa voltar?

Tenho saudades, claro! Penso voltar daqui a uns anos e abrir um restaurante portugueses com traços do sonho americano.

Que projetos tem para agora para o futuro a nível profissional?

Já comecei a estruturar o meu livro de receitas tipicamente portuguesas e convidei seis grandes Chefs de Nova Iorque para fazerem a interpretação dessas mesmas receitas! Agora só falta arranjar uma editora aí em Portugal! Mas sei que vou conseguir. “I hope!”

[A entrevista foi concedida via email]

Ana Margarida Pereira

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close