Mundo

O mundo está mais pacífico em 2012

O mundo tornou-se, em 2012, um lugar mais pacífico. A conclusão é do mais recente Índice Global da Paz (GPI - Global Peace Index) que acaba de ser dado a conhecer e coloca Portugal como um bom exemplo, no 16º lugar entre 158 países.
Versão para impressão
O mundo tornou-se, em 2012, um lugar mais pacífico. A conclusão é do mais recente Índice Global da Paz (GPI – Global Peace Index) que acaba de ser dado a conhecer. A Europa ocidental é, pelo sexto ano consecutivo, a região mais pacífica do globo e Portugal é um dos melhores exemplos, ocupando o 16º lugar entre 158 países.

Os principais destaques deste novo índice vão para a diminuição da escalada do terror político e para as melhorias em vários indicadores  relativos à militarização. Em parte, as alterações de cenário devem-se aos cortes na defesa motivados pela austeridade económica.

 
Os resultados correspondem a uma inversão da tendência observada nos últimos dois anos, quando se verificou uma diminuição da paz no mundo, adianta o Institute for Economics and Peace (IEP), responsável pelo GPI, a principal avaliação mundial da paz a nível global, feita através da análise dos conflitos domésticos e internacionais, a segurança na sociedade e a militarização.
 
Entre todas as nações analisadas, com base em 23 indicadores diferentes, a Islândia volta a surgir como a mais pacífica do mundo pelo segundo ano consecutivo. Já a Síria, onde a situação está particularmente tensa, registou a maior descida da tabela, caindo 30 lugares e ocupando, agora, a 147ª posição. A Somália continua a ser o país menos pacífico do globo, à semelhança do que acontecera em 2011. 
 
De acordo com o relatório, o Sri Lanka foi, por oposição, o país onde se observou uma melhoria mais significativa, que levou a uma subida de mais de 30 posições, em especial graças ao fim da guerra civil. 


O mapa dos diferentes níveis de paz no mundo divulgado pelo IEP: As zonas mais escuras representam os locais menos pacíficos do globo

 
Em termos mais gerais, é de salientar o facto de a África subsaariana ter deixado de ser, pela primeira vez, a região menos pacífica do mundo, tendo vindo a aumentar os seus níveis de paz desde 2007. O “título” de área menos pacífica transferiu-se, em 2012, para o Médio Oriente e o Norte de África, marcados pelas rebeliões populares e a instabilidade da chamada Primavera Árabe.

Uma “mudança nas prioridades globais”
 
Em comunicado, Steve Killelea, fundador e presidente do Conselho Executivo do IEP, afirmou que “o que ficou flagrante no resultado desde ano e nos últimos seis anos é a mudança nas prioridades globais” e destacou o exemplo da África subsaariana, que considerou “particularmente notável”.
 
“As guerras regionais diminuíram com a União Africana a tentar alcançar o desenvolvimento económico e a integração política”, apontou Killelea, chamando a atenção para o facto de a paz ter voltado “aproximadamente para os níveis de 2007”.
 
O representante máximo do IEP alertou, porém, que, “apesar de as avaliações externas da paz terem melhorado”, o conflito interno sofreu um aumento, como mostra a subida do número “das mortes causadas por atos terroristas, que cresceram mais de três vezes desde 2003”. 
 
Os dados do Índice Global da Paz evidenciam também uma diferença substancial entre o nível de paz das democracias e dos outros tipos de governo, sendo que as primeiras tendem a ter um desempenho substancialmente melhor do que os regimes híbridos e autoritários.
 
A propósito dos resultados conhecidos esta terça-feira, Killelea fala ainda de um “ponto de viragem” que faz questão de realçar e que se relaciona com os pequenos ganhos de paz em determinados países, “associados a grandes quedas na corrupção e a um grande aumento no PIB per capita”. 

Clique AQUI para aceder ao “ranking” completo de países.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close