Sociedade

Número de menores institucionalizados desceu 27%

O número de crianças e jovens em instituições de acolhimento reduziu 27 por cento nos últimos seis anos. O Estado tem ainda ao seu cuidado perto de nove mil menores, a maioria adolescentes.
Versão para impressão
O número de crianças e jovens em instituições de acolhimento reduziu 27 por cento nos últimos seis anos. O Estado tem ainda ao seu cuidado perto de nove mil menores, a maioria adolescentes.
 
Negligência, abandono, maus-tratos físicos e carência sócio-económica são os principais motivos de acolhimento, segundo o Instituto da Segurança Social (ISS). A situação de negligência lidera, no entanto, os motivos que conduzem a institucionalização dos jovens. 
 
Segundo o Relatório de Caracterização Anual da Situação de Acolhimento das Crianças e Jovens, realizado pelo (ISS), um total de 8.938 crianças e jovens estavam em acolhimento em 2011 e, destas, 6.826 já tinham entrado nas instituições em anos anteriores, enquanto 2.112 iniciaram o acolhimento em 2011.
 
Em 2006 estavam em instituições de acolhimento 12.245 crianças e jovens, em 2007 o número desceu para os 11.362, em 2008 para 9.956, em 2009 para 9.563, em 2010 para 9.136 e em 2011 para 8.938.
 
O documento, entregue no início deste mês na Assembleia da República, refere ainda que saíram do sistema de acolhimento, em 2011, um total de 2.634 crianças e jovens, o que comparativamente com o ano anterior indica um decréscimo de saídas de 8,8 por cento.
 
Braga, Lisboa e Porto têm o maior número absoluto de saídas
 
Em relação à distribuição das crianças e jovens em acolhimento, por distrito e região autónoma, o relatório revela que são os distritos do Porto, de Lisboa e de Braga que registam números absolutos mais elevados, respetivamente, 1.805, 1.591 e 680 (em 2010, 1.708, 1.655 e 756, respetivamente).
 
Em contrapartida continuam também a ser os distritos de Beja, Portalegre e Évora a apresentar números absolutos de crianças e jovens em acolhimento mais reduzidos (101, 108 e 162, respetivamente).
 
No que diz respeito às saídas do sistema de acolhimento, são também os distritos do Porto, Lisboa e Braga que mais contribuíram para estas saídas com, respetivamente, 468, 544 e 239 crianças e jovens, seguindo a mesma tendência do ano anterior, com respetivamente 551, 618 e 196 de crianças e jovens cujos acolhimentos cessaram.
 
Por outro lado, os distritos de Portalegre, Beja, Castelo Branco e Guarda são os que apresentam o menor número absoluto de crianças e jovens com cessação do acolhimento (21, 26, 37 e 38, respetivamente).
 
Maioria dos jovens acolhidos têm entre os 12 e os 21 anos
 
Relativamente às idades, o relatório do Instituto de Segurança Social revela uma tendência que se tem vindo a afirmar ao longo dos anos, no sentido de a população acolhida ser cada vez mais velha e se concentrar tendencialmente na fase correspondente à adolescência (12-17 anos).
 
Os segmentos etários entre os 0 e cinco anos correspondem a 13,7% das situações (1.228), o grupo entre os seis e os onze anos representa 21,9%, (1.960) e entre os 12 e os 21 anos 64,3 por cento das situações ou seja 5.750 casos.
 
Quanto à distribuição por sexo, o relatório constata que pela primeira vez, em 2011, uma tendência de ligeiro predomínio do sexo masculino no universo das crianças e jovens em situação de acolhimento – 4.486 rapazes (51%) e 4.452 raparigas (49%).

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close