i9magazine

Novos ecossistemas são fundamentais para aumentar a agilidade competitiva das organizações

Versão para impressão

É fundamental uma nova abordagem estratégica que permita às organizações serem bem-sucedidas, já que apenas 1/4 dos líderes empresariais a nível global estão confiantes em alcançar os objetivos de crescimento para 2020 e 56% admitem estar preocupados com o elevado risco de disrupção das atuais estratégias de crescimento. Um novo estudo da Accenture Strategy conclui que 84% dos executivos concordam que a criação de ecossistemas – partilha de dados, clientes, tecnologia e conhecimento do setor entre empresas – é fundamental para a sua estratégia.

O estudo da Accenture Strategy intitulado ‘Cornerstone of Future Growth: Ecosystems’ inquiriu mais de 1.250 líderes empresariais de diferentes indústrias em todo o mundo para perceber de que forma é que as empresas estão a criar vantagem competitiva através de modelos de negócio mais agéis. O estudo revelou que as organizações dos setores das telecomunicações, banca e utilities são as que têm mais capacidades para capitalizar oportunidades de ecossistemas.

“No atual mercado competitivo, as empresas já não conseguem criar um crescimento sustentável sozinhas. É necessária a ajuda de parceiros e constituir ecossistemas de forma a inovar e criar novas propostas, expandir a sua base de clientes e entrar em novos mercados”, afirma Pedro Galhardas, Managing Director da Accenture Strategy em Portugal. A mais-valia dos ecossistemas é que nenhuma empresa possui ou opera todas as componentes de uma solução, gerando muito mais valor em conjunto do que cada player a nível individual, sendo o risco distribuído de igual forma.

Ecossistemas potenciam o crescimento

Capacitados pelas plataformas digitais, os ecossistemas vão permitir desbloquear 100 mil milhões de dólares em valor para o negócio e para a sociedade durante a próxima década. O estudo da Accenture Strategy sugere que, para capitalizarem esta oportunidade, as empresas estão a formar ecossistemas para potenciar inovação (63%), aumentar o crescimento de receitas (58%), entrar em novos mercados (55%) e ganhar novos clientes (55%). Hoje em dia, quase metade (46%) dos executivos procuram ativamente parceiros e outros 77% acreditam que, nos próximos cinco anos, mais de metade das receitas das suas organizações será gerada através de ecossistemas.

“Devido à crescente pressão do mercado, é provável que vejamos mais empresas, em particular aquelas que, tradicionalmente, têm sido concorrentes, a unirem forças para gerar novo crescimento e alcançar uma agilidade competitiva. As parcerias entre concorrentes continuará a crescer, tendo algumas delas já revolucionado mercados e indústrias por todo o mundo,” defende Pedro Galhardas. “Os clientes vão beneficiar dos novos produtos e serviços criados, e as organizações irão procurar novos modelos de negócio para capitalizar as mudanças do mercado”. 

Adaptação para a mudança

Os executivos afirmam que alguns dos maiores desafios que enfrentam na construção de ecossistemas passa por se sentirem confortáveis em ceder o controlo – 44% dos inquiridos estão preocupados com a partilha dos ativos e sigilos da empresa com outras organizações – e mais de 1/3 (37%) assumem ser desafiante equilibrar as atuais responsabilidades do negócio enquanto se exploram novas oportunidades.

Caminho para o sucesso

As empresas que procuram um crescimento disruptivo através da construção de ecossistemas devem considerar:

  1. Definição de uma visão: Para que os ecossistemas sejam capazes de gerar crescimento, é importante ter em conta os objetivos estratégicos e de inovação. Quando combinam as suas forças com capacidades funcionais, tecnológicas e de indústria, os players do ecossistema conseguem gerar propostas novas e entusiasmantes e alargar a sua atividade a novos mercados.
  2. Identificação dos parceiros certos: Selecionar os parceiros certos é crucial para o sucesso do ecossistema. Para serem bem-sucedidos, os executivos devem procurar parceiros que tenham capacidades complementares, um mindset colaborativo, experiência de indústria, relação com clientes e dados relevantes. Devem também clarificar como será feita a partilha da informação e como será medido o sucesso. Uma estrutura de gestão adequada pode minimizar tanto receios como o atrito entre os parceiros.
  3. Organização do ecossistema: O ecossistema pode ser criado e operacionalizado assim que as empresas líderes de mercado e com capacidades distintas se unirem com uma visão e resultados partilhados. O processo envolve planear e testar o design do ecossistema, tal como a sua entrada no mercado. Ecossistemas bem-sucedidos permitem às empresas gerar novo valor para além do que poderiam fazer de forma isolada.

Para saber mais sobre o relatório visite http://www.accenture.com/ecosystems. Pode consultar o estudo, aqui.

O conteúdo Novos ecossistemas são fundamentais para aumentar a agilidade competitiva das organizações aparece primeiro em i9 magazine.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close