Saúde

Novo teste poderá revolucionar diagnóstico do cancro

Um grupo de investigadores do MIT está a desenvolver aquele que poderá vir a ser um teste revolucionário na deteção do cancro. O mesmo funciona de forma semelhante aos testes de gravidez, ou seja, através da análise de uma amostra de urina, tendo já
Versão para impressão
Um grupo de investigadores do MIT está a desenvolver aquele que poderá vir a ser um teste revolucionário na deteção do cancro. O mesmo funciona de forma semelhante aos testes de gravidez, ou seja, através da análise de uma amostra de urina, tendo já revelado eficiência no diagnóstico dos cancros do cólon e do reto.
 
Prático, intuitivo e de fácil acesso são as principais características com que os especialistas visam dotar o novo método de diagnóstico do cancro. Com recurso a uma tira de papel capaz de identificar a presença de proteínas tumorais, o novo diagnóstico vai de encontro a um habitual teste de gravidez.
 
Com base numa amostra de urina, o mesmo consegue pode ser capaz de detetar a presença de células cancerosas em apenas alguns minutos, permitindo que pacientes e médicos intervenham de forma mais imediata. A descoberta adquire particular importância junto de países em desenvolvimento, onde o número de vítimas de cancro tem vindo a aumentar nos últimos anos.
 
Com este novo procedimento, acessível a todos, será possível fazer um rastreio rápido e eficaz à presença de tumores no organismo das pessoas, a um custo bastante económico, comparativamente com os testes de diagnóstico atualmente existentes. 


Em comunicado, Sangeeta Bhatia, docente no Massachussets Institute of Techonolgy (MIT) e uma das mentoras do projeto, explica que o método tem por base a ingestão de uma solução rica em nanopartículas que interagem com proteínas tumorais, sendo capazes de desencadear a libertação de centenas de biomarcadores facilmente detetáveis com urina.

O novo teste já foi aplicado em ratinhos e o resultados foram bastante positivos. Agora, antes dos testes em grupos de risco, os investigadores querem passar pela fase dos testes clínicos, naquele que será mais um passo para a comercialização que irá permitir o uso livre e espontâneo deste método por qualquer pessoa.
 

Sangeeta Bhatia acredita que a descoberta pode vir a ter um efeito significativo ao nível das probabilidades de cura da doença, uma vez que a eficácia do tratamento depende diretamente da brevidade com que o cancro é detetado. “Pode vir a ser algo verdadeiramente transformador”, afirma a especialista.

Saiba mais AQUI.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close