Saúde

Novo gene aumenta eficácia da quimioterapia

Um grupo de investigadores dinamarqueses descobriu que um gene - o FBH1 - é capaz de aumentar a eficácia da quimioterapia, um dos mais comuns tratamentos para os pacientes com cancro.
Versão para impressão
Um grupo de investigadores dinamarqueses descobriu que um gene – o FBH1 – é capaz de aumentar a eficácia da quimioterapia, um dos mais comuns tratamentos para os pacientes com cancro. A descoberta poderá vir a contribuir para atenuar os efeitos secundários graves do tratamento ao qual o organismo de uma grande parte dos doentes não responde.
 
“Os nossos resultados mostram que o gene FBH1 é crucial para que alguns agentes da quimioterapia sejam ativados no corpo e matem as células cancerígenas. Se conseguirmos encontrar um método de aumentar a atividade deste gene poderemos usar as nossas próprias células para melhorar o tratamento contra o cancro”, explica Claus Sorensen, o coordenador da investigação, em comunicado.
 
Os investigadores do Biotech Research and Innovation Centre e do Centre for Healthy Aging da Universidade de Copenhaga, que publicaram o estudo na revista científica Nature Communications, utilizaram um método denominado “interferência de RNA” para compreender se alguns dos genes presentes no nosso ADN são importantes na reação das células cancerígenas à quimioterapia.
 
“Utilizando este método para remover os genes das células cancerígenas e expô-las, depois, à quimioterapia, descobrimos que o FBH1 é importante para a eficácia do tratamento”, sublinha Sorensen.
 
De acordo com o investigador, “os novos resultados demonstram que é, de facto, o gene FBH1 que contribui para a formação de danos no ADN durante a quimioterapia, uma informação que pode ser usada para otimizar o tratamento do cancro”, acrescenta o investigador. 

Ajustar o tratamento a cada paciente
 

Na última década tornou-se claro para os especialistas que construir tratamentos para os pacientes de forma individual e personalizada é crucial para a eficácia da quimioterapia e para obter a menor quantidade possível de efeitos secundários.
 
Ao detetar a presença do FBH1 num tumor, os médicos poderão saber mais facilmente se o paciente vai, ou não, beneficiar deste tipo de terapia. O estudo “pode ajudar a indicar se os pacientes cujas células cancerígenas têm níveis baixos do FBH1 ou nenhum sinal deste gene não beneficiam da quimioterapia, devendo ser-lhes indicado outro tratamento”, esclarece.
 
Desta forma, será possível “ajustar o tratamento a cada paciente”, frisa Sorensen que se prepara agora, junto com os colegas, para investigar a presença de mudanças, as chamadas “mutações”, no gene FBH1.
 
A identificação destas mutações, que tornam as células cancerígenas resistentes, poderá ser usada para um tratamento ainda mais eficiente. Outro dos objetivos dos cientistas é ainda encontrar uma forma de aumentar a atividade do gene FBH1 nestas células doentes.
 
“Em alternativa poderemos descobrir um caminho para produzir um efeito semelhante ao da ativação do FBH1, o que poderá ser usado como um tratamento adicional para tornar as células cancerígenas mais sensíveis à quimioterapia. Se conseguirmos, mais pacientes irão beneficiar do tratamento”, conclui Kasper Fugger, co-autor do estudo.

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close