Saúde

Novo fármaco bloqueia proteína do cancro

Investigadores de um instituto britânico testaram com sucesso, em humanos, um novo fármaco experimental que bloqueia a proteína responsável pelo crescimento e sobrevivência das células cancerígenas.
Versão para impressão
Investigadores de um instituto britânico testaram com sucesso, em humanos, um novo fármaco experimental que bloqueia a proteína responsável pelo crescimento e sobrevivência das células cancerígenas. 

O sucesso deste primeiro estudo clínico, liderado por investigadores do The Institute of Cancer Research (ICR), de Londres, e da fundação The Royal Marsden NHS, abriu caminho para a realização de novos estudos mais amplos, que já estão a decorrer.

A investigação recorreu a técnicas moleculares sofisticadas para seguir o rasto da substância farmacológica Pictilisib até às proteínas alvo – demonstrando que bloqueia um dos elementos fulcrais na proliferação, crescimento e resistência dos tumores.

A proteína quinase PI 3 é responsável por vários tipos de cancro, como o cancro da mama, do ovário, da próstata e do estômago pelo que, ao bloquear a sua atividade, será possível controlar vários tipos de tumor.

Nos testes, os investigadores examinaram biopsias de sangue e de tumores de 60 pacientes com diferentes tipos de cancro e monitorizaram a resposta dos doentes ao tratamento, revela a equipa de investigação em comunicado de imprensa.

O tratamento com Pictilisib foi bem tolerado pelos participantes, com pequenos efeitos secundários nalguns deles (como náuseas e diarreia).

As análises sanguíneas demonstraram que a atividade da PI 3 foi travada em 90% depois da administração do novo fármaco, uma redução também verificada nas biopsias dos tumores e nas imagens tomográficas dos pacientes.
 
O fármaco pictilisib demonstrou, assim, eficácia na redução de vários tipos de tumores. Segundo o comunicado do grupo, uma mulher com cancro do ovário não registou qualquer progresso da doença durante os quatro meses de tratamento e o melanoma com metáteses de um outro paciente chegou mesmo a regredir.

No comunicado, Paul Workman, um dos autores do estudo, professor no Institute of Cancer Research, salientou que a “PI 3 abre caminho aos tumores (…) pelo que, ao bloquear a sua atividade, o pictilisib pode ser muito eficaz. E um fármaco promissor que pode ser particularmente eficaz se for combinado com outros tratamentos”.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close