Ciência

Novo cristal poderá permitir respirar debaixo de água

No futuro, poderá ser possível "respirar" debaixo de água sem a necessidade de máscaras incómodas ou garrafas pesadas de oxigénio. Tudo graças a um cristal desenvolvido por investigadores dinamarqueses.
Versão para impressão
No futuro, poderá ser possível “respirar” debaixo de água sem a necessidade de máscaras incómodas ou garrafas pesadas de oxigénio. Tudo graças a um cristal desenvolvido por investigadores dinamarqueses e que tem, também, potencial para ajudar pacientes com cancro do pulmão.
 
De acordo com a equipa da Universidade da Dinamarca do Sul responsável pelo desenvolvimento deste material, o “cristal Aquaman” (como foi batizado em homenagem à personagem de banda desenhada com o mesmo nome) absorve o oxigénio presente na água e no ar, conseguindo armazenar uma quantidade deste gás muito superior às garrafas tradicionais.
 
Segundo Christine McKenzie, coordenadora da investigação, este material, apresentado num estudo divulgado na revista científica Chemical Science, constitui-se, portanto, uma opção “muito mais pequena e leve”, sendo fácil de transportar e libertando oxigénio de forma lenta apenas nas ocasiões necessárias e quando submetido a uma pequena quantidade de calor.
 
O cristal, que tem uma consistência esponjosa, é composto, na sua maioria, por cobalto envolvido numa molécula orgânica. “É o cobalto que dá ao novo material a estrutura molecular e eletrónica de torna possível a absorção do oxigénio”, explica McKenzie, em comunicado.

Cristal retém três vezes mais oxigénio que as garrafas
 

De acordo com a investigadora, a nova solução pode ser, especialmente, valiosa para pacientes com cancro do pulmão, que têm de transportar, constantemente, garrafas de oxigénio, mas tem, também, potencial para tornar real o sonho dos humanos de “respirar” com facilidade debaixo de água.
 
“Um dia, os mergulhadores poderão deixar as garrafas de oxigénio em casa e obter, em vez disso, oxigénio a partir deste cristal, já que o mesmo filtra e concentra o oxigénio presente no ar ou na água à sua volta”, antecipa McKenzie.
 
A cientista afirma que basta uma quantidade mínima deste cristal para que seja possível respirar e que, “já que o material é capaz de absorver o oxigénio existente na água em redor do mergulhador e, depois, de lho fornecer”, o processo poderá tornar-se muito mais simples. 
 
“Quando o material está saturado de oxigénio, pode comparar-se a uma garrafa de oxigénio. A diferença é que o cristal consegue reter três vezes mais gás”, destaca a investigadora, que está, neste momento, a trabalhar para entender de que formas pode ser desencadeada a libertação do oxigénio.
 
“Já vimos que existe libertação de oxigénio quando aquecemos o cristal e estamos, agora, a estudar a possibilidade de a luz também ser utilizada como 'gatilho', algo que poderá ser útil no campo da fotossíntese artificial”, finaliza.

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close