Saúde

Novo composto impede crescimento do cancro da próstata

Cientistas concluíram que o composto SPHINX é capaz de travar o crescimento da molécula SRPK1, responsável pela formação de novos vasos sanguíneos no cancro da próstata.
Versão para impressão
Cientistas britânicos concluíram que o composto SPHINX é capaz de travar o crescimento da molécula SRPK1, responsável pela formação de novos vasos sanguíneos no cancro da próstata, num estudo publicado na passada segunda-feira na revista científica Oncogene.

A pesquisa pioneira, feita por investigadores das universidades de Bristol, Nottigham e West of England, mostra que o composto Sphinx pode inibir a atividade da molécula SRPK1, fundamental na formação de novos vasos sanguíneos do cancro da próstata, que fazem com que este se alastre.

O método permite a segmentação da SRPK1, através de um processo conhecido como Fator de Crescimento Endoletial Vascular (FCEV), que pode ativar ou inibir a formação de casos, dependendo da forma como o gene é controlado por um processo celular chamado “Alternative Splicing” (“Separação alternativa, em português).

O SRPK1 numa amostra de cancro de próstata benigno (à esquerda) e maligno (à direita)

“Concluímos que a inibição da atividade da molécula SRPK1 poderia parar a progressão do cancro. Conseguimos mostrar que se se diminuir a SRPK1 nas células do cancro da próstata, ou em tumores enxertados em ratos de laboratório, é possível também mudar o FCEV e, assim, inibir a vascularização do tumor e o seu crescimento”, explicou Sebastian Oltean, co-autor do estudo da Universidade de Bristol, em comunicado.

O estudo feito em ratos de laboratório mostrou que o SPHINX, concebido especificamente para a atividade da SRPK1, foi capaz de diminuir o cancro da próstata quando administrado três vezes por semana, através de injeções.

“Os resultados apontam para que haja uma nova forma de tratar pacientes com cancro da próstata e que poderá ter implicações em novas terapêuticas em vários tipos de cancro”, afirmou David Bates, co-autor do estudo e professor na Universidade de Nottigham.

Matthew Hobbs, diretor do Centro de Pesquisa do Cancro da Próstata no Reino Unido, afirmou que “há 40.000 homens a quem é diagnosticado cancro da próstata todos os anos no Reino Unido” e que “descobertas como esta podem ser os pilares necessários para o desenvolvimento de novos tratamento”.

Clique AQUI para aceder ao comunicado completo.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close