Sociedade

Novas Oportunidades: Aluno mais velho tem 90 anos

João Sabino tem 90 anos e vai frequentar o 9º ano nas Novas Oportunidades em Salvaterra de Magos. O nonagenário será assim, segundo o Centro Novas Oportunidades da Escola Profissional de Salvaterra de Magos (EPSM), a pessoa mais velha a frequentar o
Versão para impressão
[Fotografia: Entre-paginas.com]

João Sabino tem 90 anos e vai frequentar o 9º ano nas Novas Oportunidades em Salvaterra de Magos. O nonagenário será assim, segundo o Centro Novas Oportunidades da Escola Profissional de Salvaterra de Magos (EPSM), a pessoa mais velha a frequentar o programa.

“Vou começar a mexer em computadores”, contou entusiasmado João Sabino que aos 11 anos de idade começou a trabalhar no campo e não teve oportunidade de aprender as primeiras letras na escola.

“Comecei a ler aos 19 anos, quando começou a guerra”, disse à agência Lusa, confessando que a curiosidade em ler o que vinha no jornal o levou a juntar as sílabas e passar a “ler melhor” que quem lhe ensinou as primeiras letras.

A terceira classe foi tirada quando tinha já 34 anos, época em que foi feitor nas quintas da Mata do Duque e dos Fidalgos e em que começou a inventar máquinas agrícolas que, assegura, eram únicas.

“Inventei uma máquina que plantava e regava o tomate ao mesmo tempo. Foi a primeira no Mundo. Só não fiz mecanização na apanha do tomate”, disse, garantindo que na época foi o maior produtor de tomate da Europa e o melhor feitor do Ribatejo.

Foi depois, durante 38 anos, diretor de Serviços Agrícolas no Fomento da Indústria e do Tomate e, embora só falasse português, viajou para o estrangeiro, onde, revela, era alvo de todas as atenções.

João Sabino toca trompete – chegou a ganhar dinheiro para a família a tocar jazz -, escreve música e tem impressos quatro livros de poesia e um com a história da sua vida.

“São versos do ´saber da vida´. Há quem conheça as letras e não saiba viver e há pessoas que não conhecem uma letra e tratam da vida como deve ser”, é como responde a quem se espanta com o que escreve.

À Lusa confessou que obter o 9.º ano é apenas sinal de que quer continuar a aprender, porque, embora use bengala, tem “muita vitalidade” – continua a conduzir – e a cabeça “está boa”.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close