Cultura

Nova Iorque: Documentário luso inaugura festival do MoMA

O último filme de Gonçalo Tocha, 'A Mãe e o Mar', foi escolhido para inaugurar o 13º Documentary Fortnight, a decorrer no Museu de Arte Moderna (MoMA), em Nova Iorque, EUA, em Fevereiro.
Versão para impressão
O último filme de Gonçalo Tocha, 'A Mãe e o Mar', foi escolhido para inaugurar o 13º Documentary Fortnight, a decorrer no Museu de Arte Moderna (MoMA), em Nova Iorque, EUA, em Fevereiro. A longa-metragem vai ser exibida no dia 14 daquele mês no prestigiado espaço norte-americano, como prova da “cultura atlântica” que o realizador diz ser partilhada pelos dois lados dois lados do oceano. 
 
Segundo Gonçalo Tocha, em 2012, o mesmo museu tinha já apresentado a proposta de incluir a sua produção anterior, 'É Na Terra, Não É Na Lua', na programação do espaço. No entanto, na altura, o realizador estava comprometido com um outro museu nova-iorquino, o Museum of the Moving Image. 
 
Ainda assim, “os programadores do MoMA ficaram atentos ao novo filme e, quando o mesmo ficou pronto, pediram para o ver”. Passado pouco tempo, “fizeram novo convite para o incluir no programa 'Documentary Fortnight 2014', com honras de filme de abertura do programa”, inclusive.


'A Mãe e o Mar' conta a história das mulheres “pescadeiras” da praia de Vila Chã, nos arredores de Vila do Conde e foi feito no âmbito do programa de formação Estaleiro, do festival Curtas de Vila do Conde. A constituir a equipa de rodagem estavam jovens finalistas do curso de Cinema, no Porto.
 
O documentário teve estreia no Festival Internacional de Cinema de Roma, sendo depois exibido no Festival Internacional de Documentários em Copenhaga e no Festival Rencontres Internacional du Documentaire de Montreal, no Canadá. O mesmo vai ainda estar presente no Festival Internacional de Roterdão, onde será exibido nos dias 25 e 30 de Janeiro e 1 de Feveiro. 
 
Em 2013, 'A Mãe e o Mar' foi distinguido com o Prémio para Melhor Longa-Metragem portuguesa, no evento DocLisboa, embora os EUA sejam “o país onde o filme mais circulou”, com sessões onde “havia sempre mais americanos do que lusodescendentes”. 


“Além das grandes comunidades de descendentes açorianos a quem o filme potencialmente poderia interessar, há também uma cultura atlântica que une os dois povos – e isto os açorianos sabem melhor do que ninguém”, afirma o realizador.
 
“Tanto o filme sobre o Corvo, como este sobre as 'pescadeiras' de Vila Chã existem para mim como odisseias atlânticas”, acrescenta à Lusa, insistindo no termo popular, usado na região de Vila do Conde, para as mulheres pescadoras. “A circulação atlântica é permanente. Por isso, estes filmes irão sempre passar melhor nos Estados Unidos do que num país da Europa central, a quem o Atlântico pouco diz”. 
 
Segundo o realizador, natural dos Açores, o 'Documentary Fortnight do MoMA' “é uma grande referência no setor” pelo que, “depois desta passagem, as probabilidades de continuar a circular neste país são imensas”. A terminar dia 28 de Fevereiro, o festival vai exibir filmes de 20 países diferentes, entre os quais 20 longas-metragens, 10 curtas  e dois clássicos. 
 
O seu documentário 'É na Terra, Não é na Lua', também rodado nos Açores, na ilha do Corvo, obteve em 2011 uma menção especial do júri no Festival de Locarno e venceu o DocLisboa.
 
No ano seguinte, com o mesmo filme, Gonçalo Tocha venceu o prémio 'Cinema do Futuro' do Festival de Cinema Independente de Buenos Aires (BAFICI), na Argentina, o Festival Internacional de Cinema de São Francisco, nos EUA, e o DocumentaMadrid.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close