Ambiente

Nova espécie de escaravelho descoberta por bióloga lusa

Uma bióloga lusa descobriu uma nova espécie de escaravelho naquela que é a mais profunda gruta do planeta, na Abecássia. Neste lugar, também conhecido como o maior abismo do mundo, o inseto encontrado por Ana Sofia Reboleira vive em total escuridão,
Versão para impressão
Uma bióloga lusa descobriu uma nova espécie de escaravelho naquela que é a mais profunda gruta do planeta, na Abecássia. Neste lugar, também conhecido como o maior abismo do mundo, o inseto encontrado por Ana Sofia Reboleira vive em total escuridão, sem asas e sem quaisquer tipo de olhos viáveis.
 
Com “cerca de sete milímetros de comprimento, despigmentado e com um alargamento das antenas”, para compensar a falta de visão, o novo escaravelho apresenta um conjunto de características desenvolvidas em função de uma vida sem luz, bem como das condições inóspitas encontradas na gruta.
 
O mesmo foi batizado com o nome científico de 'Duvalius abyssimus', em alusão “ao maior abismo da terra, onde foi encontrado”. Localizado na Abecássia, uma área remota perto do Mar Negro, nas montanhas do Cáucaso, o mesmo corresponde à gruta Krubera-Vorónia, cuja profundidade quase alcança os 2.200 metros abaixo do nível do solo. 
 
“É a única caverna do mundo que ultrapassa os dois quilómetros de profundidade, sendo considerada a última fronteira da exploração biológica na terra e apelidada por alguns como o 7.º continente”, revela a bióloga à Lusa.
 
Nas grutas onde a temperatura ambiente “é inferior a 5º C”, a prospecção biológica exige “uma grande preparação técnica, física e uma grande resistência psicológica”, sendo necessário permanecer “vários dias no interior da Terra” para onde “todo o equipamento é transportado pelos expedicionários ao longo dos seus mais de dois quilómetros de profundidade”.
 
A nova espécie de insecto foi recolhida durante os trabalhos bio-espeleológicos coordenados por esta bióloga da Universidade de Aveiro e pelo seu colega espanhol Alberto Sendra, do Museu Valenciano de História Natural, durante as expedições Ibero-Russas do Cavex Team – International Cave Exploration Team à gruta mais profunda do mundo em 2010 e 2013. 
 
A descoberta foi, agora, descrita pela cientista portuguesa, em colaboração com Vicente M. Ortuño, da Universidade de Alcalá, em Espanha, e publicada na revista científica 'Zootaxa'.
 
O feito vem juntar-se a outras cinco espécies novas encontradas na mesma gruta por Ana Sofia Reboleira, investigadora de pós-doutoramento no Departamento de Biologia e no Centro de Estudos do Ambiente e do Mar da Universidade de Aveiro, onde desenvolve trabalho de investigação, centrado sobretudo na área da Biologia Subterrânea.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close