Ciência

Nova descoberta poderá prever esperança de vida

Um grupo de cientistas britânicos descobriu que, através da análise dos metabolitos sanguíneos é possível determinar dados como o estado de saúde de uma pessoa, a longo prazo, e o seu grau de envelhecimento.
Versão para impressão
Um grupo de cientistas britânicos descobriu que, através da análise dos metabolitos sanguíneos – “impressões digitais” químicas que existem no sangue e resultam de alterações que ocorrem durante a infância – é possível determinar dados como o estado de saúde de uma pessoa, a longo prazo, o seu grau de envelhecimento e, consequentemente, a esperança de vida.
 
Com base num estudo realizado em amostras de sangue doadas por mais de seis mil gémeos, os cientistas encontraram 22 metabolitos relacionados com a idade, sendo que um deles, o C-glyTrp, é uma descoberta totalmente nova, que perceberam estar ligada a alguns indícios de envelhecimento. 
 
De acordo com o comunicado da universidade, este metabolito está particularmente associado à função pulmonar, à densidade mineral dos ossos, ao colesterol, à pressão sanguínea e ao baixo peso dos bebés recém-nascidos, que é conhecido como um fator determinante para a saúde durante o envelhecimento.
 
Tim Spector, responsável pelo Departamento de Investigação de Gémeos do King’s College London, em Inglaterra, afirma que “os cientistas já sabiam que o peso da criança no momento em que nasce é determinante para a saúde na idade adulta, e que as pessoas que nascem com pouco peso ficam mais suscetíveis a contrair doenças relacionadas com o envelhecimento”.
 
“No entanto, o que até agora não se sabia era quais são os mecanismos moleculares que relacionavam o baixo peso com os problemas de saúde numa idade avançada. Mas esta descoberta revelou uma das vias moleculares envolvidas”, acrescenta.

Exame de sangue poderá prever esperança de vida

 
A líder da investigação, Ana Valdes, esclarece que “este metabolito era diferente em gémeos geneticamente idênticos, que tiveram um peso diferente quando nasceram. O que prova que o peso dos recém-nascidos afeta um mecanismo molecular que altera este metabolito”.

“Isto pode ajudar-nos a perceber como é que uma fraca nutrição durante a gravidez altera a composição molecular, resultando num envelhecimento mais rápido e com maior risco de contrair doenças após os 50 anos”, acrescentou.
 
Assim, a cientista adiantou que, no futuro, através de um simples exame de sangue vai ser poder ser possível conhecer a esperança média de vida de uma pessoa, bem como desenvolver novas terapias para tratar doenças relacionadas com as condições do organismo numa idade mais avançada.

Pode consultar mais informações AQUI.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close