Inovação e Tecnologia

Nova câmara digital inspira-se nos olhos dos insetos

Um grupo de engenheiros norte-americanos acaba de anunciar o desenvolvimento de uma nova câmara fotográfica capaz de "reproduzir" o mundo com a mesma precisão dos olhos de um inseto.
Versão para impressão
Um grupo de engenheiros norte-americanos acaba de anunciar o desenvolvimento de uma nova câmara fotográfica capaz de “reproduzir” o mundo com a mesma precisão dos olhos de um inseto – ou seja, com um amplo campo de visão e sem distorções. 
 
Este dispositivo digital desenvolvido por investigadores da Universidade de Illinois, nos EUA, é composto por 180 lentes minúsculas e dobráveis e tem também um campo de profundidade quase infinito, além de grande sensibilidade ao movimento. 
 
“Descobrimos uma forma de criar câmaras que incorporam o 'design' essencial dos olhos dos insetos. O resultado é uma nova câmara que oferece campos de visão excecionalmente amplos (de quase 180 graus), sem distorções e com uma intensidade luminosa uniforme”, explica John Rogers, co-autor desta inovação e membro do departamento de engenharia da universidade, em declarações à AFP. 
 
A maioria das câmaras fotográficas convencionais “imita” o funcionamento do olho dos insetos, mas tem um campo de visão limitado, ao contrário destes, que desfrutam de visão panorâmica. “A natureza desenvolveu e refinou este conceito ao longo de milhões de anos de evolução”, salienta Rogers.


 

O novo equipamento, que tem cerca de 1,5 centímetros de diâmetro, porém, inspira-se nesta caraterística e serve-se de material eletrónico flexível, que dobra ao mesmo nível que as lentes, cada uma das quais possui o seu próprio “detetor”, à semelhança do que acontece, por exemplo, nos olhos das formigas e dos escaravelhos. 
 
Além disso, segundo os seus mentores, a nova tecnologia é compatível com as tecnologias atuais, podendo ser produzida segundo os mesmos métodos. “Esta é a grande vantagem da nossa tecnologia”, aponta Jianliang Xiao, engenheiro eletrónico e professor da Universidade de Colorado, que também participou no projeto. “Podemos fabricar um sistema eletrónico compatível com a tecnologia atual e depois redimensioná-lo”, conclui.
 
De acordo com os investigadores, esta tecnologia poderá ser útil para implementação em câmaras de vigilância ou, por exemplo, em endoscopias e outros exames médicos. No entanto, a equipa alerta que a comercialização é improvável neste momento, já que uma câmara funcional exigiria um grande investimento ao nível da capacidade de manufatura.

Notícia sugerida por David Ferreira

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close