Sociedade

Nova Alcântara terá menos trânsito automóvel

A Câmara de Lisboa aprovou, esta quarta-feira, o Plano de Urbanização de Alcântara, que prevê uma melhor distribuição do trânsito pela zona, mais acessos e novos meios de transporte público, mais habitações e mais emprego.
Versão para impressão
[Foto: © Osvaldo Gago]

A Câmara de Lisboa aprovou, esta quarta-feira, o Plano de Urbanização de Alcântara, que prevê uma melhor distribuição do trânsito pela zona, mais acessos e novos meios de transporte público, mais habitações e mais emprego.

O projeto orientado pelo arquiteto Manuel Fernandes e Sá prevê grandes mudanças em termos de mobilidade e transportes. Uma nova estação de comboio seria construída no Bairro do Alvito, sendo que as linhas de Cascais e de Cintura estariam ligadas. A Estação de Alcântara-Mar seria enterrada e a de Alcântara-Terra (Leste) reformulada, com interfaces intermodais.

Além disso, os autores do projeto referem a criação de uma ligação em metro ligeiro, cujo percurso ligasse o Alvito a Campo de Ourique (Rua de Maria Pia), depois de atravessar as encostas do vale em viaduto (também pedonal e ciclável), e que chegasse depois à Estrela. Ali encontrar-se-ia a Linha Vermelha do metro, através da extensão da rede.

Alterações na circulação automóvel

A circulação automóvel também é alvo de um grande plano de reformulação: com a construção de uma nova rotunda na Baixa de Alcântara, o atual acesso à ponte 25 de Abril ficará para veículos prioritários e transportes públicos, sendo construído um novo ramal na Avenida de Ceuta que contornará a norte a ETAR que está a ser construída.

Esse novo ramal vai juntar-se depois ao que vem do Viaduto Duarte Pacheco, pelo que os carros deixam de fazer a inversão de marcha depois de entrar na Avenida de Ceuta. Outra alteração é a abertura de um túnel entre a Avenida de Brasília e a 24 de Julho, pelo que será desmontado o viaduto da Infante Santo.

Mais residências e emprego

O objetivo deste projeto é tornar Alcântara num novo centro urbano. “Alcântara vai passar a ser, finalmente, uma parte do miolo da cidade e acabamos com um impasse em que deixámos muitos investidores durante muitos anos”, afirmou o presidente da autarquia, António Costa, ao jornal Público.

A construção de residências será a primeira vertente do plano a avançar, juntamente com a criação de mais emprego. A zona será também servida por um hospital privado.

Ainda não há datas definidas pelo executivo para o arranque do projeto, sendo que o documento segue agora para a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo, indo depois para consulta pública.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close