Cultura

Nobel de Literatura escreveu sobre Lisboa e Funchal

NULL
Versão para impressão
A Academia Sueca atribuiu, esta quinta-feira, o Nobel da Literatura ao poeta sueco Tomas Tranströmer. O escritor tinha um carinho especial por Portugal, tendo um poema dedicado a Lisboa e outro ao Funchal. 
 
O júri da academia destacou que Tomas Transtromer, nascido a 15 de abril de 1931 em Estocolmo, é “um dos poetas vivos mais traduzidos em todo o mundo (em 30 línguas)”, cuja obra incide sobre “a morte, a História, a memória e a natureza”.

O escritor sucede, neste galardão, a Mario Vargas Llosa, vencedor da edição de 2010. O prémio Nobel da Literatura tem o valor monetário de dez milhões de coroas suecas, cerca de 1,1 milhões de euros.

Tranströmer, de 80 anos, começou a publicar poesia aos 23 anos e o seu primeiro livro intitulava-se “17 dikter” (“17 Poemas”).

Em 1990, o poeta foi vítima de um derrame cerebral que lhe afectou a capacidade de falar. Conseguiu recuperar mas anos mais tarde sofre outra série de derrames.

Perdeu, então, a capacidade de escrever pela própria mão sendo a sua mulher que vai apontando os seus poemas.

Em Portugal, Tomas Tranströmer está pouco traduzido, estando apenas representado na coletânea “21 poetas suecos”, editada pela Vega, em 1981. Contudo, o poeta conhecia bem o nosso país, tendo um poema intitulado “Funchal” (ver abaixo) e outro “Lisboa”, traduzido e publicado na coletânea da Vega.

Em “Lisboa” (tradução de Vasco Graça Moura), o poeta sueco destaca elementos típicos das zonas históricas da capital portuguesa:

“No bairro de Alfama os eléctricos amarelos cantavam nas calçadas íngremes/Havia lá duas cadeias. Uma era para ladrões/Acenavam através das grades/Gritavam que lhes tirassem o retrato.

'Mas aqui', disse o condutor e riu à socapa como se cortado ao meio/'aqui estão políticos'. Vi a fachada, a fachada, a fachada e lá no cimo um homem à janela/tinha um óculo e olhava para o mar

Roupa branca no azul. Os muros quentes/As moscas liam cartas microscópicas/Seis anos mais tarde perguntei a uma senhora de Lisboa/'será verdade ou só um sonho meu?'”

FUNCHAL

[poema de Tomas Tranströmer traduzido pelo poeta e ensaísta Luís Costa em 2007 e publicado na revista literária Agulha]  
O restaurante do peixe na praia, uma simples barraca, construída por náufragos.
Muitos, chegados à porta, voltam para trás,  mas não assim as rajadas de vento do mar. Uma sombra encontra-se num cubículo fumarento e assa dois peixes, segundo uma antiga receita da Atlântida, pequenas explosões de alho.
O óleo flui sobre as rodelas do tomate. Cada dentada diz que o oceano nos quer bem, um zunido das profundezas.
Ela e eu: olhamos um para o outro. Assim como se trepássemos as agrestes colinas floridas, sem qualquer cansaço. Encontramo-nos do lado dos animais, bem-vindos, não envelhecemos. Mas já suportámos tantas coisas juntos, lembramo-nos disso, horas em que também de pouco ou nada servíamos ( por exemplo, quando esperávamos na bicha para doar o sangue saudável – ele tinha prescrito uma transfusão). Acontecimentos, que nos podiam ter separado, se não nos tivéssemos unido, e acontecimentos que, lado a lado, esquecemos – mas eles não nos esqueceram!
Eles tornaram-se pedras, pedras claras e escuras, pedras de um mosaico desordenado.
E agora aconteceu: os cacos voam todos na mesma direcção, o mosaico nasce.
Ele espera por nós. Do cimo da parede, ele  ilumina o quarto de hotel, um design, violento e doce, talvez um rosto, não nos é possível compreender tudo, mesmo quando tiramos as roupas.
Ao entardecer, saímos. A poderosa pata, azul escura, da meia ilha jaz,
expelida sobre o mar.  Embrenhamo-nos na multidão, somos empurrados
amigavelmente, suaves controlos, todos falam, fervorosos, na língua
estranha. “um homem não é uma ilha”. Por meio deles fortalecemo-nos, mas também por meio de nós mesmos. Por meio daquilo que existe em nós e que os outros não conseguem ver. Aquela coisa  que só se consegue encontrar a ela própria. O paradoxo interior, a flor da garagem, a válvula contra a boa escuridão.
Uma bebida que borbulha nos copos vazios. Um altifalante que propaga o silêncio. Um atalho que, por detrás de cada passo, cresce e cresce. Um livro que só no escuro se consegue ler. 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close