Ambiente

Nigéria: Casas ecológicas de garrafas de plástico

NULL
Versão para impressão

Na cidade de Kaduna, na Nigéria, uma organização não-governamental está a tentar combater o défice existente em termos de habitação e, simultaneamente, zelar pela preservação do meio-ambiente com um trabalho original.

O projeto em questão, iniciado pela Association for Renewable Energies (DARE) com o apoio de especialistas londrinos da African Community Trust, consiste em construir casas a partir de garrafas de plástico vazias, areia e lama. Embora à primeira vista possa parecer estranho, a verdade é que, de acordo com os responsáveis pela iniciativa, este tipo de habitações apresenta grandes vantagens.

Em declarações à AFP durante a visita à primeira casa construída neste âmbito, o mentor Christopher Vassiliu explicou que o novo método “pode contribuir muito para ajudar a resolver os problemas dos nigerianos em relação à falta de casas e reduzir a poluição”.

As garrafas de plástico, elemento base da construção, são preenchidas com areia e colocadas lado a lado em fileiras, coladas entre si com lama e cimento e unidas também por uma complexa rede de fios que proporciona um apoio adicional à estrutura. A aparência é diferente do habitual, mas, no interior, estas casas tem tudo o que se pode encontrar numa casa comum: dois quartos, uma casa-de-banho e uma cozinha.

Além disso, conforme explicou o coordenador do projeto, as habitações feitas com garrafas de plástico são mais baratas, prometem ser duradouras e mostram-se muito mais resistentes do que as convencionais a várias ameaças. Yahaya Ahmaad afirma que estas estruturas são “à prova de fogo e de bala e resistentes a sismos, além de que o interior é capaz de manter uma temperatura constante de 18ºC, o que é o ideal para um clima tropical”.

Porém, os benefícios não alcançam só aqueles que nelas vivem. Alcançam, também, o próprio planeta Terra. Num país onde os problemas de desperdício e energia são graves, as casas são desenhadas para não produzir quaisquer emissões de carbono, sendo o abastecimento energético feito inteiramente através de painéis solares e de gás metano obtido a partir da transformação de dejetos humanos e animais. Por outro lado, o aproveitamento das garrafas de plástico – que demoram anos a decompor-se – é uma forma eficaz de proteger a Natureza.

Cada casa necessita de cerca de 14,000 garrafas para ser construída, mas graças à colaboração de restaurantes, hotéis e embaixadas, a recolha do material tem sido muito facilitada. O objetivo dos responsáveis é, agora, estender o projeto a outras regiões e dar-lhe outras utilidades. No horizonte está, já em Janeiro, avança a AFP, o alargamento de uma escola primária na cidade de Suleja, que necessita de mais salas de aula, com o recurso a este método. Para o fazer, serão precisas 200.000 garrafas plásticas.

Antes de ser posto em prática na Nigéria, este modelo de habitações já tinha surgido noutros países como a Rússia e a Argentina.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close