Ciência

NASA revela que Marte pode ter tido vida

A análise de uma amostra de rocha recolhida pelo robô Curiosity revela que o planeta Marte poderá ter tido condições de suportar vida microbiana no passado.
Versão para impressão
A análise de uma amostra de rocha recolhida pelo robô Curiosity revela que o planeta Marte poderá ter tido condições de suportar vida microbiana no passado. Os cientistas da agência espacial NASA verificaram a existência de enxofre, azoto, hidrogénio, oxigénio, fósforo e carbono, ingredientes químicos que permitem originar a vida.
 
A rocha sedimentar foi extraída no mês de Fevereiro, no leito antigo da cratera Gale do planeta vermelho, zona que o Curiosity se encontra a explorar.

Até ao momento, os dados reunidos pelo robô levaram os cientistas a acreditar que aquela zona poderá ter acolhido um sistema fluvial ou o leito de um lago “intermitentemente molhado” que terá fornecido energia química e outras condições favoráveis à formação de micróbios.

 
“A questão fundamental para esta missão é se Marte poderá ter suportado um ambiente habitável. Por aquilo que sabemos agora, a resposta é sim”, salientou Michael Meyer, cientista líder do Programa de Exploração de Marte, no site oficial da NASA.
 
Segundo a agência espacial norte-americana “este ambiente antigo molhado, ao contrário de alguns outros em Marte, não foi severamente oxidante, ácido ou extremamente salgado”. A rocha sedimentar de grão fino, extraída através da perfuração do solo, revela evidências de múltiplos períodos de solo molhado, incluindo nódulos e veias.

Ambiente era propício à formação de micróbios
 
“Minerais de argila representam pelo menos 20% da composição desta amostra”, revelou David Blake, cientista do Centro de Investigações Ames da NASA, no site oficial da agência. Estes minerais resultam de uma reação entre água fresca e rochas eruptivas, como é o caso da olivina, presente nos sedimentos encontrados.
 
Os investigadores ficaram surpreendidos com a mistura de químicos oxidados, pouco oxidados e não-oxidados, que apresentavam um gradiente de energia semelhante ao de muitos micróbios existentes na Terra.
 
“A variedade de ingredientes químicos que identificámos na amostra é impressionante”, revelou Paul Mahaffy, investigador do Centro de Voos Espaciais Goddard da NASA, no site oficial da agência norte-americana.

[Notícia sugerida por Gonçalo Alexandre]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close