Ciência

NASA descobre sinais de água em 5 planetas distantes

A presença de água na atmosfera de planetas já tinha sido revelada anteriormente mas este é o primeiro estudo conclusivo sobre o tamanho e intensidade desta molécula encontrada fora do nosso sistema solar.
Versão para impressão
A presença de água na atmosfera de planetas fora do sistema solar já tinha sido relatada anteriormente mas este é o primeiro estudo conclusivo sobre o tamanho e intensidade desta molécula em corpos celestes distantes. 
 
Uma equipa de cientistas da NASA descobriu sinais de água na atmosfera de cinco exoplanetas. Estes planetas encontram-se fora do nosso sistema solar, a muitos triliões de milhas de distância da Terra. Hubble, o telescópio espacial da NASA, é um dos raros equipamentos que consegue observar estas atmosferas. 
 
A força dos sinais de água encontrados variam nos cinco exoplanetas (designados por, WASP-17b,HD209458b, WASP-12b, WASP-19b e XO-1b). Os planetas com a maior atmosfera, o WASP-17 e oHD209458b, são os que apresentam maior sinal. Já os restantes também revelam sinais consistentes de presença de H2O. 
 

“Estamos bastante confiantes quanto à presença de água em vários planetas”, revela Avi Mandell, cientista da NASA Goddard Space Flight Center e autor do artigo científico publicado esta semana sobre a descoberta. 
 
O estudo foi conduzido por L. Drake Deming da Universidade da Maryland que, em conjunto com uma equipa da NASA, explorou a absorção de luz pelas atmosferas dos exoplanetas. Este fenómeno acontece quando o planeta distante passa em frente à estrela que orbita. Os investigadores podem identificar gases na atmosfera que determinam qual o comprimento de onda das luzes das estrelas que são transmitidos e quais são parcialmente absorvidos. 
 
Drake Deming garante que “detetar a atmosfera de um exoplaneta é extremamente difícil mas foi possível ter um sinal claro de que se trata de água”. A descoberta é mais um passo importante para encontrar um planeta semelhante à Terra. 
 
As observações dos comprimentos de onda foram realizadas com infravermelhos que revelam a presença de água. O estudo compara as formas e intensidade da absorção, e a consistência destes sinais deu confiança aos cientistas de que se trata da existência de água. Para explorar os detalhes do fenómeno foi usada a câmara 3 do famoso Hubble. 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close