Saúde

Música ajuda pacientes jovens a lutar contra o cancro

A música tem potencial para ajudar os pacientes mais jovens a lidar com o cancro de uma forma mais otimista, contribuindo para que mantenham a esperança na luta contra a doença. A conclusão é de um novo estudo norte-americano.
Versão para impressão
A música tem potencial para ajudar os pacientes mais jovens a lidar com o cancro de uma forma mais otimista, contribuindo para que mantenham a esperança na luta contra a doença. A conclusão é de um novo estudo norte-americano, que vem revelar que a terapia musical pode constituir-se como um apoio psicossocial fundamental para adolescentes ou jovens adultos.
 
Um grupo de investigadores das universidades de Duke e Indiana, nos EUA, descobriu que os pacientes mais jovens que estejam a ser submetidos a tratamentos contra o cancro desenvolvem uma maior capacidade de gerir a situação e uma maior resiliência quando participam num processo de terapia musical.
 
Este processo, explica um comunicado divulgado pelos especialistas, envolve a escrita de canções e a produção de vídeos para as suas músicas e foi testado em 113 jovens a realizar transplantes de células estaminais para tentar combater a doença, tendo sido desenhado para os ajudar “a explorar e expressar pensamentos e emoções” sobre a doença e o tratamento que, de outra forma, ficariam por dizer. 
 
Os jovens, com idades entre os 11 e os 24 anos, foram escolhidos aleatoriamente para participar no estudo e divididos em dois grupos: os elementos do grupo de controlo receberam audiolivros e os do outro grupo foram integrados num programa de intervenção musical terapêutica com seis sessões ao longo de três semanas. 
 
Durante esta intervenção, os participantes foram convidados a manifestar os seus sentimentos através da música, sendo acompanhados por um painel de terapeutas musicais especializados que os ajudaram a refletir nas suas experiências e a identificar os aspetos mais importantes das suas vidas, desde a espiritualidade à família, às relações com os amigos e com os cuidadores e médicos. 

Melhor integração e melhor ambiente familiar
 

No âmbito da terapia musical, os jovens gravaram sons, recolheram imagens e escreveram “guiões” para desenvolver o vídeo destinado a ilustrar as suas canções, contando com a colaboração da família, amigos e profissionais de saúde. No final, os vídeos foram partilhados, contribuindo para uma melhor compreensão da perspetiva dos doentes em relação ao cancro, ao tratamento e aos desejos para o futuro. 
 
De acordo com os investigadores, cujo estudo foi publicado na revista científica Cancer, 100 dias após os transplantes terem sido realizados, os elementos do grupo submetido a este tipo de terapia reportou uma melhor integração social e um melhor ambiente familiar. 
 
Para a equipa, estas descobertas proporcionam a evidência de que as intervenções baseadas na música e efetuadas por terapeutas musicais junto de adolescentes e jovens com cancro podem, efetivamente, ajudá-los a aceitar com mais facilidade os tratamentos, muito violentos e, frequentemente, de alto risco, envolvidos na luta contra a doença.
 
“A disponibilidade de serviços de terapia musical nos EUA tem aumentado e através de estudos como este, esperamos vê-la aumentar e ver crescer o acesso a este importante 'aliado' dos cuidados de saúde”, conclui Sheri L. Robb, uma das cientistas envolvidas na investigação. 

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês). 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close