Sociedade

Multinacionais oferecem estágios a jovens em risco

Uma nova iniciativa em Portugal quer promover a integração social de jovens em risco de exclusão através da inserção dos mesmos no mercado de trabalho. No projeto participam várias multinacionais portuguesas e estrangeiras.
Versão para impressão
Uma iniciativa pioneira em Portugal quer promover a integração de jovens em risco de exclusão através da inserção dos mesmos no mercado de trabalho. No projeto participam multinacionais portuguesas e estrangeiras, como o Grupo Pestana, a Toys'R'Us, a Canon, a Cortefiel e a Leroy Merlin.

por Margarida Cruz
 

Promovida pela União Meridianos e a Associação Crescer Ser, a iniciativa 'Crescer Fazendo' nasce da “consciência social das entidades que o promovem e da importância decisiva que o desenvolvimento individual e social dos jovens assume para o futuro do país”, conta Ana Nóbregra, porta-voz da União Meridianos, ao Boas Notícias.
 
Inteiramente pioneira em Portugal, a iniciativa tem por base uma “inovadora rede de colaboração empresarial” que assegura a “formação e qualificação profissional dos jovens, através da possibilidade de realização de estágios em empresas e entidades público-privadas”.

Dela fazem parte empresas e entidades como o Grupo Pestana, a Alcampo, a Canon, a Cortefiel, a Cruz Vermelha, a Eurodepot, a Inditex, a Leroy Merlín, a Toys R'Us, entre outras.

 
Nesta primeira fase, que já está em curso, o projeto 'Crescer Fazendo' envolve 40 jovens da região de Lisboa. Segundo a responsável, “eventualmente, a iniciativa será implementada noutras zonas do país, aumentando o número de jovens e o número de estágios de qualificação profissional.”
 
Os participantes devem ter idades compreendidas entre os 16 e os 24 anos, sendo sinalizados pela própria União Meridianos, ao “manifestarem carências deste tipo de apoios”. Quanto à duração dos estágios, a mesma “será estipulada com base nas necessidades diagnosticadas e com os interesses e motivação dos jovens”.

A especialista falou ao Boas Notícias de um período mínimo de três meses, mas avança que não existe um 'cronograma' rígido e sim “um projeto estruturado e adaptado a cada jovem e às suas reais necessidades de formação”. 

Autonomia e conhecimentos
 

A articulação e monitorização do projeto com as empresas colaboradoras cabe à União Meridianos, enquanto a seleção de rapazes e raparigas que beneficiam dos programas fica a cargo da Associação Crescer Ser.

O projeto contempla ainda a implementação de estratégias específicas de intervenção familiar e comunitária, com a realização de sessões de orientação e mediação entre as famílias e adolescentes e o meio onde estão inseridos.

Com estas ações, o projeto pretende “potenciar a autonomia dos jovens oriundos de meios familiares e sociais fragilizados e desfavorecidos”, fornecendo-lhes “competências e conhecimentos vitais na construção do seu futuro”. 
 

Clique AQUI para visitar o site da União Meridianos e AQUI para saber mais sobre a Associação Crescer Ser. 

Notícia sugerida por Lídia Dinis

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close