Saúde

Mortalidade materna caiu 35% em 30 anos

Nos últimos 30 anos registou-se uma queda de aproximadamente 35% na mortalidade materna em todo o mundo, segundo um estudo publicado esta semana na revista médica "The Lancet".
Versão para impressão
Nos últimos 30 anos registou-se uma queda de aproximadamente 35% na mortalidade materna em todo o mundo, segundo um estudo publicado esta semana na revista médica “The Lancet”.

Segundo a revista, em 2008 registaram-se 342,9 mil mortes de mulheres em todo o mundo devido a complicações no parto, em comparação com 526,3 óbitos verificados há 30 anos.

Esses índices seguem a tendência de queda global observada no estudo da Universidade de Washington em Seattle, Estados Unidos, que analisou dados de 181 países.

Mais de metade destas mortes concentram-se em apenas seis países: Índia, Nigéria, Paquistão, Afeganistão, Etiópia e República Democrática do Congo.

O Afeganistão foi o que apresentou a taxa de mortalidade materna mais alta: 1.575 para cada 100 mil bebés nascidos vivos.

Já a China teve uma queda de 76% na sua taxa de mortalidade materna durante o período estudado, desempenhando uma das melhores performances do mundo.

Também o Brasil obteve bons resultados. A taxa de mortalidade das mães brasileiras caiu em média 63% entre 1980 e 2008, diz o estudo.

Poucos países, no entanto, apresentaram um aumento de óbitos. O caso mais surpreendente foi o dos Estados Unidos, onde o número de mortes subiu de 12 para 17 em cada 100 mil.

O vírus HIV, causador da SIDA, continua a ser um dos principias problemas. Sem este virus, os cientistas calculam que o número de falecimentos maternos em 2008 teria sido aproximadamente 18% mais baixo.

A melhoria da saúde materna é uma das Metas de Desenvolvimento do Milénio, estabelecidas pela ONU no ano 2000 e que têm como objetivo apresentar melhorias em várias áreas sociais e de saúde até 2015.

A mortalidade materna é definida pela morte de mulheres na gravidez, no parto ou nos primeiros 42 dias após o nascimento. Segundo os médicos, estas mortes poderiam ser prevenidas em 92% dos casos.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close