Cultura

Monumento de homenagem a Saramago em Itália

NULL
Versão para impressão

Uma escultura de homenagem ao Nobel português José Saramago é inaugurada, este sábado, em Pontedera, Itália. O monumento, representando a imagem de uma passarola, é de César Molina e será inaugurado no âmbito do Festival Sete Sóis e Sete Luas (FSSSL).

A passarola (na foto) – a primeira aeronave conhecida no mundo a efetuar um voo, no século XVIII – foi inventada por Bartolomeu de Gusmão, padre e cientista português, e tem um papel fundamental no romance “Memorial do Convento”, do Nobel José Saramago.

Segundo a Lusa, a escultura ficará instalada na praça em frente ao Centrum Sete Sóis Sete Luas, em Pontedera, na região de Pisa.
Marco Abbondanza, diretor do festival, declarou à Lusa que em 2012, na vigésima edição do FSSSL esta mesma praça passará a chamar-se “Piazza José Saramago”.

Um festival inspirado em Saramago

O Festival Sete Sóis e Sete Luas surgiu, segundo o site oficial, em 1993, “pela curiosidade e audácia de um grupo de estudantes do Liceu de Pontedera (Toscana, Itália) e o apoio de um escritor português”, José Saramago.

Este festival envolve uma rede cultural de 30 cidades de 10 países – Brasil, Cabo Verde, Croácia, França, Grécia, Israel, Itália, Marrocos, Portugal e Espanha e privilegia “experiências diretas de música, arte e sabores através da promoção dos produtos de excelência de cada país”.

José Saramago é presidente honorário do Festival Sete Sóis Sete Luas. A inauguração em sua homenagem constitui um dos pontos altos da XIX edição do certame que decorre em várias cidades europeias, africanas, brasileiras e israelitas.

Este festival inspira-se, segundo o site oficial, nos valores presentes na obra portuguesa “Memorial do Convento”, “cujas personagens são sonhadores de alma visionária, que vivem numa Europa medieval, oprimidos por uma intolerante e tenebrosa Inquisição”.

A passarola, representada agora numa escultura, é uma máquina voadora que na obra de Saramago foi construída pelos personagens Baltazar Sete Sóis, Blimunda Sete Luas e Bartolomeu de Gusmão. Este objeto tornou-se o símbolo do Festival “pelo seu poder evocativo e simbólico, representando a metáfora do sonho e da liberdade utópica”.

“Ao longo dos mais de 20 anos de relacionamento que manteve connosco, José Saramago deu-nos uma lição de vida e foi a primeira pessoa a aderir a este festival, um certame que pretende dar ênfase às manifestações artísticas e culturais mediterrânicas e dos países lusófonos”, afirmou Marco Abbondanza.

Clique AQUI para aceder ao site oficial do Festival Sete Sóis de Sete Luas

[Notícia sugerida por Vítor Fernandes]  

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close