Portugal Excelência

Montijo tem a maior produção de gerberas da Península

Foi no final dos anos 60, pela mão de António Gonçalves, um homem apaixonado por flores, que despontou a indústria das flores de corte na zona do Montijo. Hoje em dia, a região colhe, todos os dias, 500 mil flores, dando emprego direto a 1.000 trabal
Versão para impressão
Foi no final dos anos 60, pela mão de António Gonçalves, que despontou a indústria das flores de corte na zona do Montijo. Hoje em dia, a região colhe, todos os dias, 500 mil flores, dando emprego direto a 1.000 trabalhadores.

por Patrícia Maia
 
Quem assistiu, esta segunda-feira, à estreia da novela Rainha das flores, na SIC, teve a oportunidade de ver algumas das estufas do Montijo, onde crescem mais de meio milhão de flores por dia.
 
Passaram cerca de 45 anos desde que António Gonçalves, o fundador da empresa Florisul, construiu com as próprias mãos a sua estufa, dando origem àquela que hoje é uma das principais indústrias do Montijo e arredores: a floricultura de corte.
 
Hoje em dia, a região tem mais de 15 empresas de produção de flores de corte garantindo 70 por cento da produção nacional e alberga a maior área de produção de gerberas em estufa da Península Ibérica. Um negócio que, a nível nacional, movimenta 500 milhões de euros por ano.
 
Vítor Araújo, vice-presidente da Associação Portuguesa de Produtores de Plantas e Flores Naturais (APPPFN), cresceu entre as flores cultivadas nas estufas de António Gonçalves. “O negócio foi crescendo e muitos trabalhadores acabaram por se instalar por conta própria, como foi o meu caso”, conta ao Boas Notícias.

A Florineve foi lançada há 20 anos por Vítor Araújo e pela sua mulher tem por base apenas um hectare e cinco funcionários. Hoje em dia, a empresa tem 20 hectares e 100 trabalhadores.

 
O vice-presidente da APPPP considera que o sucesso deste setor, na região do Montijo, Alcochete e Palmela, está diretamente relacionado com a aposta dos empresários locais na inovação. “Estamos atentos e vamos com frequência à Holanda para perceber como melhorar o funcionamento das estufas, as técnicas de controle das temperaturas, o combate às pragas, no fundo, tudo o que ajude a otimizar o processo”, salienta Vítor Araújo. 
 

Cravos, gerberas, margaridas e rosas são as principais flores cultivadas mas no Montijo crescem, no total, mais de 50 espécies, incluindo verduras e folhagens

O responsável sublinha que, em contra-ciclo com a maior parte das indústrias, neste setor as importações diminuíram, em cerca de 20 por cento, e as exportações aumentaram na ordem dos 10 por cento.
 
É nas estufas da Florineve que a SIC tem estado a gravar vários episódios da novela Rainha das Flores. Um destaque no pequeno ecrã que, espera Vítor Araújo, resulte numa maior projeção deste setor. “Espero que esta novela mostre às pessoas a qualidade das flores de corte em Portugal e que estimule o seu consumo, até porque muitos consumidores pensam que as flores vendidas no nosso país vêm de fora”.
 

Nada mais errado: neste momento, o setor assegura 90 por cento do consumo interno e, graças à melhoria nos métodos de transporte, até já exporta, por avião, para fora da Europa, como é o caso de Angola. Em breve, com o desenvolvimento das técnicas de corte e transporte, quem sabe as flores portuguesas consigam chegar cada vez mais longe.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close