Negócios e Empreendorismo

Moncorvo: Investimento milionário ressuscitará minas

As minas de Moncorvo poderão vir a ser alvo do maior investimento estrangeiro de sempre em Portugal. O Governo prepara-se para celebrar um acordo com a multinacional anglo-australiana Rio Tinto, que prevê apostar até mil milhões de euros no negócio.
Versão para impressão

As minas de Moncorvo poderão vir a ser alvo do maior investimento estrangeiro de sempre em Portugal. O Governo prepara-se para celebrar um acordo com a multinacional anglo-australiana Rio Tinto, que prevê apostar até mil milhões de euros no negócio.

A companhia prepara-se para dar uma nova vida às minas abandonadas, criando 400 postos de trabalho na exploração do ferro que existe no subsolo. Até agora, mais do que esta exploração, o que poderá dificultar a tarefa é o transporte do minério.
 
Porém, de acordo com a Lusa, numa fase inicial está prevista a reativação de um troço na antiga linha ferroviária do Sabor entre Moncorvo e Pocinho, com ligação à linha do Douro e, por aí, ao porto de Matosinhos.
 
A propósito do investimento estimado, o especialista António Mateus defendeu, em declarações àquela agência noticiosa, que a atividade mineira é bastante mais segura hoje do que há 20 anos e deve ser uma prioridade estratégica para o Governo.
 
“É urgente que Portugal defina uma política que permita conciliar a extração com as preocupações ambientais, exigindo às empresas a obrigatoriedade de adquirir tecnologias que reduzam o impacto no ambiente”, considerou o investigador.
 
António Mateus salientou o caso das minas de Neves Corvo, em Beja, como modelo a seguir, por julgá-las  “um exemplo de 'green mining' à escala mundial” uma vez que “têm em conta os impactos ambientais e tudo fazem para os reduzir”.
 
O especialista acredita que a atividade mineira pode ser um bom caminho para Portugal e que o país tem capacidade para “ir mais longe”. No entanto, realça, é essencial “existirem condições de natureza política que permitam reabilitar o que existe, atrair investimento estrangeiro, mas incrementar a redução dos impactos”.
 
Para António Mateus, definir a política a aplicar no setor dos minérios – tendo sempre em conta preocupações ambientais – é, portanto, essencial, já que “o mundo precisa de matérias-primas minerais, especialmente a Europa”.
 
[Notícia sugerida por Vítor Fernandes]
 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close