Sociedade

Monção: Parque empresarial vai criar 1.250 empregos

Está marcada para Outubro a adjudicação da obra que dará origem ao Minho Park Monção - Parque Empresarial do Noroeste Peninsular, espaço com uma extensão total que deverá gerar até 1.250 novos postos de trabalho.
Versão para impressão
Está marcada para Outubro a adjudicação da obra que dará origem ao Minho Park Monção – Parque Empresarial do Noroeste Peninsular, espaço com uma extensão total próxima dos 90 hectares e que deverá gerar até 1.250 novos postos de trabalho. 
 
De acordo com uma nota emitida pela autarquia de Monção, o concurso público de construção do empreendimento, no valor base de 13.949.152,00€, recebeu a participação de 14 empresas. A próxima fase será a análise das propostas, a elaboração de um relatório final e, depois da adjudicação, o arranque dos primeiros trabalhos de infraestruturação. 
 
Segundo a câmara municipal, a adjudicação diz respeito à primeira fase deste “investimento estruturante e inovador”, que compreende 53 hectares de terreno onde irão nascer 80 lotes para unidades empresariais (54 empresas, 15 serviços e 11 armazéns) bem como 889 lugares de estacionamento (765 ligeiros e 124 pesados). 
 
Além disso, anuncia o comunicado camarário, o Minho Park Monção vai ser dotado de “um conjunto de áreas destinadas ao desporto e lazer (campos de futebol e ténis), espaços de investigação (setores do vinho e transportes), serviços de apoio empresarial (incubadora de empresas) e serviços sociais e educacionais (creche e ensino profissional).”
 
Este investimento, partilhado pela Associação Industrial do Minho (90%) e pela Câmara Municipal de Monção (10%), é “o maior de sempre na região do Vale do Minho e o segundo no distrito depois da 'Enercom'”, abrangendo as freguesias de Pinheiros, Lara, Mazedo e Troporiz. 
 
As expetativas dos promotores apontam para que o Minho Park venha a criar, no prazo de cinco anos, cerca de 1.250 postos de trabalho. Entre os objetivos do parque empresarial está “a interação entre a ciência, instituições públicas e a iniciativa privada, possibilitando a criação de um ambiente favorável ao desenvolvimento empresarial”. A aposta dirige-se “a empresas industriais, projetos inovadores e empresas em fase de modernização”. 
 
O parque, cuja infraestruturação beneficia de um apoio de oito milhões de euros no âmbito do “O2 – Novo Norte”, vai ser gerido conforme um modelo de condomínio empresarial, isto é, a gestão de áreas como a segurança, o ambiente, a energia e as telecomunicações “será efetuada de forma comum e central”.

O propósito é que esta sinergia e articulação permita “às empresas reduzir significativamente os gastos inerentes às suas atividades produtivas ou de serviços”. 
 

O cronograma dos trabalhos aponta para que a infraestruturação do equipamento, que dispõe de declaração de utilidade pública emitida pelo Ministério da Economia, esteja concluída em finais do próximo ano, prevendo-se a instalação das primeiras unidades empresariais no primeiro trimestre de 2015.

Notícia sugerida por Elsa Martins

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close