Saúde

Molécula que "imita" exercício pode tratar obesidade

Uma nova molécula que "imita" o exercício pode ser o segredo para tratar a obesidade e a diabetes tipo 2. O composto é capaz de reduzir os níveis de glicose no sangue e, ao mesmo tempo, diminuir o peso corporal.
Versão para impressão
Uma nova molécula que “imita” o exercício pode ser o segredo para tratar a obesidade e a diabetes tipo 2. O composto foi desenvolvido por cientistas da Universidade de Southampton, em Inglaterra, e é capaz de reduzir os níveis de glicose no sangue e, ao mesmo tempo, diminuir o peso corporal.
 
Apresentado num estudo publicado, recentemente, na revista científica Chemistry and Biology, o “composto 14”, como foi batizado, é capaz de inibir a função de uma enzima celular, a ATIC, que está envolvida no metabolismo, conduzindo ao aumento da quantidade de uma molécula chamada ZMP nas células.
 
Este aumento faz com que as células do organismo “pensem” que esgotaram toda a energia disponível e leva-as, consequentemente, a tentar aumentar os seus níveis energéticos através de um incremento no processamento da glicose e de uma aceleração do metabolismo, explica, em comunicado, a Universidade de Southampton. 
 
“Estudos anteriores já provaram que se a AMPK for ativada, de forma seletiva, com recurso a uma pequena molécula, pode ser benéfica para o tratamento de inúmeras doenças, inclusive a diabetes tipo 2, ao funcionar como uma 'imitadora' do exercício e aumentar o uso de glicose e oxigénio pelas células”, afirma Ali Tavassoli, líder da equipa que desenvolveu o composto e professor de bioquímica naquela universidade.
 
“A nossa molécula, que ativa a AMPK através da alteração do metabolismo celular, é, portanto, muito promissora enquanto possível agente terapêutico”, acrescenta Tavassoli, que, em conjunto com os colegas, testou o composto em ratinhos com resultados animadores.
 
Os modelos animais foram divididos em dois grupos: os elementos de um deles foram alimentados com uma dieta normal, ao passo que os restantes foram submetidos a uma alimentação rica em gorduras, o que fez com que se tornassem obesos e levou à diminuição da sua tolerância à glicose (um dos sinais clínicos do estado de “pré-diabetes”).
 
Quando os ratinhos que seguiram uma dieta normal foram tratados com o “composto 14”, os seus níveis de açúcar no sangue, bem como o seu peso, mantiveram-se normais. No caso dos ratinhos obesos, por outro lado, a molécula fez com que os níveis elevados de glicose no sangue baixassem quase até à normalidade e com que perdessem cerca de 5% do peso corporal em apenas uma semana.
 
O próximo passo dos investigadores passará por uma melhoria da molécula com vista a examinar os efeitos a longo-prazo deste tipo de tratamento e a compreender a forma como aumenta a tolerância à glicose e reduz o peso. Caso se prove a sua eficácia e segurança, o composto “poderá ser usado no desenvolvimento de um fármaco que ajude a controlar a diabetes e a obesidade”.

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close