Saúde

Molécula faz o próprio organismo destruir o cancro

Um grupo de cientistas norte-americanos acaba de dar um enorme passo na futura cura do cancro ao descobrir que o próprio organismo é capaz de destruir os tumores cancerígenos.
Versão para impressão
Um grupo de cientistas norte-americanos acaba de dar um enorme passo na futura cura do cancro ao descobrir que o próprio organismo é capaz de destruir os tumores cancerígenos. Os investigadores da Universidade da Pensilvânia identificaram uma molécula, a TIC10, que ativa uma proteína capaz de combater a doença.
 
A proteína em causa, denominada TRAIL, suprime o desenvolvimento dos tumores durante o processo em que o sistema imunitário “patrulha” o corpo em busca de células cancerígenas, um processo que desaparece durante a progressão do cancro e, consequentemente, leva ao crescimento descontrolado e à proliferação dos tumores.
 
Os especialistas explicam que o benefício da utilização da TRAIL como uma forma de combater o cancro é que esta faz parte do sistema imunitário, pelo que não é tóxica para o organismo como a quimioterapia ou a radioterapia.
 
Além disso, as pequenas dimensões da molécula TIC10 tornam-na mais eficaz do que as descobertas anteriores, uma vez que, graças a ela, consegue ultrapassar a barreira hematoencefálica (que separa o sangue do cérebro) e que dificulta a entrada de tratamentos na região cerebral, impedindo a ação dos medicamentos contra os tumores no cérebro.

Molécula TIC10 evita que a doença se alastre
 

“Não pensámos inicialmente que esta molécula pudesse ser capaz  de tratar tumores cerebrais – foi uma surpresa agradável”, confessou, em declarações ao Daily Mail, o coordenador da investigação, Wafik El-Deiry, oncologista daquela universidade norte-americana.
 
Outro aspeto positivo da molécula TIC10 é, segundo a equipa, o facto de esta não ativar apenas a proteína TRAIL nas células cancerígenas, mas também nas que são saudáveis mas se encontram ao seu redor, evitando que a doença se alastre.
 
Embora o estudo, publicado na revista científica Science Translational Medicine tenha sido, para já, apenas conduzido com ratinhos, El-Deiry acredita que uma abordagem semelhante terá sucesso em humanos. 
 
A eficácia da TRAIL no ataque às células doentes já levou à realização de ensaios clínicos em células artificiais e, até ao momento, a utilização da proteína sob a forma de fármaco mostrou-se segura.

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).

[Notícia sugerida por Ana Russo]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close